EUA, China e Rússia elevam gastos militares a nível recorde

Os gastos militares mundiais alcançaram um nível inédito em 2008, estimulados pela guerra dos Estados Unidos contra o terrorismo e pelas ambições de Rússia e China, enquanto na América Latina o valor destinado às forças armadas subiram 50% nos últimos dez anos, segundo o relatório anual do Instituto Internacional de Estudos para a Paz de Estocolmo (Sipri), divulgado nesta segunda-feira.

AFP |

Na América do Sul, o crescimento dos gastos em material militar no período 1999-2008 se deveu principalmente às ambições do Brasil de se consolidar como uma potência regional e ao conflito interno na Colômbia, destaca o Sipri, considerado uma referência em questões de armas e conflitos no mundo.

Os gastos com material bélico em todo o mundo totalizaram no ano passado 1,464 trilhão de dólares, um aumento de 45% em relação ao nível registrado dez aos antes em termos constantes (que neutralizam a inflação).

A cifra equivale a 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e a 217 dólares por habitante do planeta, de acordo com o Sipri.

Comparados com os valores de 2007, os gastos militares subiram 4%.

Na América do Sul, o orçamento militar cresceu 50% em uma década, "puxado pelo Brasil, que iniciou um trabalho de longo prazo para consolidar seu status de potência regional, e pelo aumento dos gastos na Colômbia devido a seu conflito interno", explica o Sipri.

Em 2008, os gastos militares no continente sul-americano foram de 34,1 bilhões de dólares.

A China, assim como a Rússia, triplicou o volume de dinheiro gasto com armamento nos últimos dez anos, e em 2008 chegou pela primeira vez ao segundo lugar da lista.

O Sipri calcula que as compras de armas feitas pela China tenham totalizado 84,9 bilhões de dólares no ano passado, o que representa 6% dos gastos militares mundiais, à frente da França (4,5%) e da Grã-Bretanha (4,5%).

"Na China, o aumento (dos gastos com armamento) acompanha de perto o crescimento econômico, e está vinculado a suas aspirações de aumento de poder" no cenário internacional, estima o Sipri.

A Rússia, da mesma forma que a China, aproveitou a euforia econômica dos últimos anos antes da crise internacional para reafirmar suas ambições de superpotência, escalando a lista do Sipri até o quinto lugar.

Os Estados Unidos são, sem surpresas, o país com o maior volume de gasto militar do mundo, segundo o instituto sueco.

As ofensivas militares lideradas pelos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão "geraram um gasto adicional de 903 bilhões de dólares só para os Estados Unidos" no período 1999-2008.

Os gastos americanos representam quase 42% do total, mais que os 14 países seguintes juntos, um legado da política do ex-presidente George W. Bush, segundo o Sipri.

Desde 1999, os gastos da defesa americana aumentaram 67%, situando-se em 607 bilhões no ano passado.

Entre os 15 maiores orçamentos militares, apenas Alemanha (-11%) e Japãon (-1,7%) reduziram seus gastos desde 1999.

Esta é a lista do Sipri dos 15 países com maior gasto militar do mundo em 2008:

Gastos % Mundial Variação

--------------------------------------------------

(em bilhões de dólares) (1999-2008)

1. Estados Unidos 607,0 41,5 +66,5%

2. China* 84,9 5,8 +194,0%

3. França 65,7 4,5 +3,5%

4. Grã-Bretanha 65,3 4,5 +20,7%

5. Rússia* 58,6 4,0 +173,0%

6. Alemanha 46,8 3,2 -11,0%

7. Japão 46,3 3,2 -1,7%

8. Itália 40,6 2,8 +0,4%

9. Arábia Saudita 38,2 2,6 +81,5%

10. Índia 30,0 2,1 +44,1%

11. Coreia do Sul 24,2 1,7 +51,5%

12. Brasil 23,3 1,6 +29,9%

13. Canadá 19,3 1,3 +37,4%

14. Espanha 19,2 1,3 +37,7%

15. Austrália 18,4 1,3 +38,6%

TOTAL G15 1,188 trilhão 81 não disponível

TOTAL MUNDO 1,464 trilhão 100 +44,7%

(*): estimativa Sipri

map/ap/sd

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG