EUA aprovam primeiro remédio oral para tratar esclerose múltiplas

Com o medicamento, os pacientes estariam livres das constantes injeções

AFP |

A FDA, agência reguladora de alimentos e medicamentos nos Estados Unidos, aprovou esta quarta-feira (22) a primeira pílula oral para tratar a forma mais comum de esclerose múltipla.

Segundo a FDA, o gilenia (ou fingolimod) é o primeiro de uma nova classe de medicamentos que ajudam a impedir que certas células sanguíneas migrem para o cérebro e para espinha dorsal, o que pode ajudar a reproduzir a severidade da esclerose múltipla em pacientes com formas reincidivas da doença.

A aprovação é considerada um avanço valioso para que pacientes que sofrem com a enfermidade, devido à necessidade de tomarem injeções frequentemente para tratar a complexa condição neurológica.

Dois milhões e meio de pessoas sofrem de esclerose múltipla em todo o mundo, entre as quais 400 mil só no Estados Unidos.

"O gilenia é o primeiro medicamento oral capaz de tornar mais lenta a progressão da doença e a severidade dos sintomas, dando aos pacientes uma alternativa para as terapias injetáveis disponíveis atualmente", explicou, em um comunicado, Russell Katz, diretor de produtos de neurologia do Centro de Pesquisas e Avaliação de Medicamentos da FDA.

A esclerose múltipla pode permanecer indetectável e seus sintomas variam dramaticamente de uma pessoa para outra. Eles podem ser moderados, como dormência nos membros, ou severos, como paralisia e cegueira.

Segundo a FDA, o gilenia, produzido pela farmacêutica Novartis, traz o risco de causar efeitos colaterais, como um declínio na frequência cardíaca em novos usuários do medicamento, bem como dores de cabeça, resfriado, diarreia e dores nas costas.

    Leia tudo sobre: esclerose múltipla

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG