WASHINGTON - Os aeroportos dos Estados Unidos começarão a aplicar a partir desta segunda-feira novas medidas de segurança que incluirão controles aleatórios para todos os viajantes e revistas obrigatórias para todos aqueles oriundos de 14 países que seriam ligados ao terrorismo.

Por enquanto, o governo americano não deu os nomes dos países cujos cidadãos serão submetidos a este controle, mas já indicou que afetará os que figuram na lista do Departamento de Estado como incentivadores do terrorismo, como é o caso Cuba, Irã, Sudão e Síria.

Segundo a imprensa local, também entrarão na lista Afeganistão, Argélia, Iraque, Líbano, Líbia, Nigéria, Paquistão, Arábia Saudita, Somália e Iêmen.

No caso do Iêmen, todo viajante procedente do país ou qualquer cidadão iemenita será obrigatoriamente revistado.

O responsável pelo ataque terrorista frustrado ao voo da Northwest Airlines no último dia 25, o nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, confessou que recebeu no Iêmen seus explosivos e o treinamento necessário para usá-los.

Segundo a imprensa americana, as medidas que entram em vigor hoje são mais um passo do governo do país para evitar a repetição de incidentes como o do último dia de Natal.

No domingo, a Agência de Segurança no Transporte (TSA, na sigla em inglês) comunicou às companhias aéreas as mudanças que vão ser aplicadas a partir desta segunda-feira.

A agência dá especial ênfase ao fato de que viajantes que venham ou sejam cidadãos de um determinado grupo de nações nas quais há algum tipo atividade terrorista "serão revistados de corpo inteiro, e sua bagagem será inspecionada fisicamente".

A intensificação das medidas de segurança levou hoje ao fechamento de um das terminais do aeroporto de Newark, um dos três que atendem a área metropolitana de Nova York.

O terminal C deste aeroporto foi fechado por causa de um passageiro que não passou pelo controle de rotina e que pegou o caminho dos que já tinham sido revistados.

Por enquanto, o viajante que provocou o incidente não foi localizado.

    Leia mais sobre: Estados Unidos

      Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.