EUA afirmam que não permitirão que Irã bloqueie navegação no Golfo Pérsico

Abu Dhabi, 2 jul (EFE).- O comandante da Quinta Frota da Marinha dos Estados Unidos, Kevin J.

EFE |

Cosgriff, descartou hoje a possibilidade de o Irã colocar em prática suas ameaças de bloquear a navegação no Golfo Pérsico, mas insistiu que, de todos os modos, "os EUA não permitirão que isso ocorra".

Cosgriff fez esta declaração em uma reunião dos chefes das Forças Navais do Conselho de Cooperação do Golfo Pérsico (CCG), organizada em Abu Dhabi pelo Centro de Emirados para Estudos Estratégicos.

O militar americano reiterou o compromisso de seu país com a segurança da região petrolífera do Golfo, e se referiu sobretudo à importância estratégica do Estreito de Ormuz, entre Omã e o Irã, por onde passa 40% do petróleo consumido pelo mundo.

"O Irã não tentará fechar o Estreito de Ormuz, e nós não permitiremos que fechem o Estreito de Ormuz", disse Cosgriff, que já havia feito uma declaração no mesmo sentido há dois dias, no Barein.

Essas advertências ocorreram depois que o comandante da Guarda Revolucionária do Irã, Ali Jaafari, afirmou na semana passada que o Exército de seu país controlaria Ormuz, caso o Irã fosse atacado por Israel ou pelos EUA.

Jaafari reagia às informações segundo as quais Israel poderia estar preparando um ataque aéreo contra as instalações atômicas iranianas, que Teerã assegura serem pacíficas, mas o Ocidente suspeita ocultarem fins militares.

Cosgriff se referiu aos incidentes que ocorreram este ano entre pequenas lanchas militares do Irã e navios da marinha americana no Golfo, e reafirmou que, caso se repitam, os EUA "defenderão seus navios".

A conferência em Abu Dhabi contou com a participação dos chefes das forças navais e representantes militares e civis dos países do CCG, integrado por Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Omã, Barein, Catar e Kuwait, todos aliados dos EUA.

Estes três últimos acolhem em seus territórios e águas jurisdicionais bases militares americanas, enquanto todos os membros do CCG têm assinados acordos de cooperação defensiva com os EUA. EFE fa/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG