conseqüências adversas de ações russas na Geórgia - Mundo - iG" /

EUA advertem para conseqüências adversas de ações russas na Geórgia

Washington, 14 ago (EFE).- O chefe do Pentágono, Robert Gates, disse hoje que a incursão militar da Rússia na Geórgia põe em dúvida o diálogo com os Estados Unidos, e advertiu para as conseqüências adversas que causará a longo prazo nas relações entre Washington e Moscou.

EFE |

"Se a Rússia não retroceder em sua postura agressiva e suas ações na Geórgia, as relações EUA-Rússia podem ser danificadas durante anos", disse Gates, em entrevista coletiva.

O chefe do Pentágono declarou que ele mesmo e a secretária de Estado, Condoleezza Rice, tinham iniciado "um diálogo estratégico de longo alcance com a Rússia", mas indicou que "a conduta deste país põe em questão toda a premissa" do mesmo.

"Os russos estavam preparados para aproveitar qualquer oportunidade, e avançaram agressivamente sobre a Ossétia (do Sul)", continuou o chefe do Pentágono.

"A mensagem de Moscou a todas as partes da ex-União Soviética foi uma advertência acerca dos esforços para se integrar ao Ocidente e sair da tradicional esfera de influência russa", acrescentou.

Gates assinalou que os Estados Unidos não têm "nem desejo nem intenção" de retomar um confronto com Moscou, como o que marcou a Guerra Fria.

"Por 45 anos, fizemos grandes esforços para evitar um confronto militar com a Rússia. Não vejo que haja razões para mudar agora esse enfoque", sustentou Gates.

"No entanto, tem que haver conseqüências para as ações empreendidas pela Rússia contra uma nação soberana", acrescentou.

Segundo ele, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, tem interesse em reafirmar o status da Rússia como grande potência, em reafirmar sua tradicional esfera de influência, e em corrigir o que eles (os russos) vêem como concessões impostas depois do colapso da União Soviética na década de 1990.

"Desafortunadamente, (a Rússia) escolheu fazê-lo de maneira negativa", afirmou, após considerar que "todas as nações passarão agora a olhar a Rússia de maneira diferente".

Gates estimou que é pouco provável que os Estados Unidos participem com suas próprias tropas em uma força de pacificação na Ossétia do Sul e na Abkházia, caso as Nações Unidas enviem uma.

"Estamos um pouco ocupados, segundo parece", acrescentou. Os Estados Unidos têm atualmente quase 150 mil soldados no Iraque e outros 36 mil no Afeganistão.

"Há interesse em que as tropas de pacificação saiam da Europa", apontou.

Por sua parte, o subchefe do Estado-Maior Conjunto, general James Cartwright, que acompanhou Gates na entrevista coletiva, disse que "em termos gerais", a Rússia parece hoje ter cumprido com os termos de um acordo de cessação de hostilidades na Geórgia.

"Esperamos que a Rússia mantenha abertas todas as linhas de comunicação e de transportes, os portos, aeroportos e caminhos", sustentou Gates.

Cartwright declarou que o Comando Conjunto Europeu das forças americanas observa a situação na Geórgia "do ponto de vista de segurança, no contexto da assistência humanitária, e observa que rotas estão abertas e quais são as necessidades médicas" "Não queremos acumular montanhas de provisões sem que haja uma situação apropriada para a distribuição", assegurou o oficial, que detalhou que se observou "uma diminuição no nível de forças russas".

"Temos muito boa comunicação com os russos acerca do movimento de nossos elementos, não há indícios de que estejam bloqueando as estradas", especificou Cartwright. EFE jab/gs

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG