Washington, 3 jul (EFE) - Os Estados Unidos forneceram algum apoio na operação de resgate realizada na quarta-feira pelo Exército colombiano para libertar 15 reféns das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), reconheceu hoje a Casa Branca. Sabíamos da operação e como seria realizada, não posso dar mais detalhes por enquanto, mas o presidente (americano, George W.) Bush a apoiava, disse hoje a porta-voz da Casa Branca, Dana Perino, em entrevista coletiva.

Entre as 16h e 16h30 (em Brasília) de quarta-feira, Bush foi informado por assessores de que "a operação tinha sido executada e concluída com sucesso", ressaltou.

Perino atribuiu ao Governo do presidente colombiano, Álvaro Uribe, e ao Exército do país o sucesso da missão, "com algum apoio nosso, mas foi uma operação fundamentalmente da Colômbia", afirmou.

A porta-voz lembrou que os Estados Unidos colaboraram com o Governo da Colômbia desde que os três trabalhadores americanos foram seqüestrados, "para tentar trazê-los para casa outra vez".

O presidente colombiano ligou na quarta-feira ao chefe da Casa Branca para anunciar a libertação dos reféns, entre eles os americanos Keith Stansell, Marc Gonsalves e Thomas Howes.

Bush parabenizou Uribe e pediu que transferisse seus parabéns ao Exército e àqueles que participaram da operação.

Sobre as especulações que vinculam a recente visita do candidato republicano à Presidência dos EUA, John McCain, com a operação, Perino afirmou que "não é mais que uma coincidência". EFE elv/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.