EUA aconselharam Geórgia que não atacasse Ossétia do Sul, segundo embaixador

Moscou, 22 ago (EFE).- O embaixador dos Estados Unidos na Rússia, John Beyrle, assegurou hoje que Washington aconselhou a Geórgia que não atacasse a separatista Ossétia do Sul, ao mesmo tempo em que defendeu o desdobramento na região de um contingente internacional de paz.

EFE |

"Até o último momento tentamos convencer a parte georgiana de não tomar esse rumo. Desde o princípio dissemos que esse conflito não podia ser resolvido pela força", assinala Beyrle em entrevista publicada hoje pelo jornal "Kommersant".

O diplomata considerou "justificada" a reação das tropas russas à agressão contra suas forças de paz desdobradas na Ossétia do Sul.

"Mas agora invadiram solo georgiano e a integridade territorial da Geórgia está em perigo", ponderou.

"Vemos a destruição da infra-estrutura civil e os apelos de diversos políticos para mudar o Governo democraticamente eleito da Geórgia. Por isso é que consideramos que a Rússia foi longe demais", disse.

Beyrle ressaltou que o importante é que agora a Rússia cumpra o plano europeu de cessar-fogo e retirada de tropas.

"Quanto antes retornarem as tropas russas ao local onde estavam, mais cedo os observadores internacionais poderão chegar e então, possivelmente, um contingente internacional de paz", disse.

O diplomata destacou que o processo de regra do conflito deve ter como ponto de partida a "integridade territorial da Geórgia".

O ministro de Defesa russo, Anatoli Serdiukov, antecipou ontem à noite que a retirada das tropas russas do território georgiano seria concluído hoje, enquanto a retirada da Ossétia do Sul precisará de dez dias. EFE io/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG