terceira frente contra Al Qaeda no Iêmen - Mundo - iG" /

EUA abrem terceira frente contra Al Qaeda no Iêmen

WASHINGTON - Os Estados Unidos abriram no Iêmen uma terceira frente contra a rede terrorista Al-Qaeda, por temerem que o país do Oriente Médio se torne tão instável quanto o Afeganistão e passe a ser um dos principais centros da organização de Osama Bin Laden, informa hoje a imprensa americana.

EFE |

Nos próximos 18 meses, o Pentágono gastará mais de US$ 70 milhões (cerca de R$ 120 milhões) no Iêmen, segundo o jornal "The New York Times".

"No meio de duas guerras no Iraque e Afeganistão, os EUA abriram silenciosamente uma terceira frente, em grande parte clandestina, contra a Al-Qaeda no Iêmen", diz a publicação, citando como fontes militares de alta patente.

As informações surgiram depois de uma tentativa de ataque frustrado contra um avião dos EUA no dia de Natal. As agências de inteligência americanas investigam se o nigeriano Umar Farouk Abdulmutallab, que tentou explodir um voo comercial que seguia da Holanda para os EUA, obteve o dispositivo e o treinamento necessários no Iêmen, como ele próprio alega.

O Pentágono planeja utilizar destacamentos das Forças Especiais para dar instrução aos militares iemenitas, segundo o "New York Times", que indicou que a medida representaria um aumento em dobro da ajuda militar concedida até agora ao país árabe.

Por sua vez, o "The Washington Post", que cita fontes similares, informa que "o governo iemenita, sob forte pressão dos EUA e com significativa ajuda americana, lançou nos últimos dez dias ataques aéreos e terrestres contra uma célula local da Al-Qaeda, matando mais de 50 militantes".

Os EUA têm atualmente mais de 70 mil soldados no Afeganistão, país que invadiu em 2001 para combater a rede terrorista, e outros 125 mil no Iraque desde 2003.

Segundo o jornal nova-iorquino, "há um ano a CIA (agência de inteligência dos Estados Unidos) enviou (ao Iêmen) vários de seus agentes mais destacados com experiência na luta contra o terrorismo".

"Ao mesmo tempo, algumas das unidades mais secretas de operações especiais começaram a instruir as forças de segurança iemenitas em táticas contra atividades terroristas", acrescentou.

O "Washington Post" sustenta a versão de que Abdulmutallab "poderia ter sido equipado e instruído por um especialista em bombas da Al-Qaeda no Iêmen".

"Isso representaria um aumento significativo das atividades da Al-Qaeda na Península Arábica e o surgimento de uma nova ameaça para os EUA, o Oriente Médio e o nordeste da África", acrescentou.

Leia mais sobre terrorismo

    Leia tudo sobre: estados unidosiêmenterrorismo

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG