ETA mata inspetor da luta antiterrorista no País Basco

Bilbao (Espanha), 19 jun (EFE).- O inspetor da Polícia espanhola Eduardo Antonio Puelles García, ligado à luta antiterrorista no País Basco (norte da Espanha), foi assassinado hoje em um atentado atribuído à organização terrorista ETA, o primeiro com vítimas fatais este ano.

EFE |

A vítima, de 49 anos, casado e pai de dois filhos, estava dentro de um veículo quando explodiu uma bomba colocada no assoalho do veículo.

Uma testemunha contou que o inspetor começou a gritar quando a bomba explodiu, mas que foi impossível socorrê-lo já que o automóvel ficou envolvido em chamas.

Eduardo era inspetor desde 2002 e pertencia ao Grupo de Vigilâncias Especiais da Brigada de Informação de Bilbao, encarregada da luta contra ETA.

O atentado aconteceu às 7h05 (local), localidade próxima à cidade de Bilbao, na província de Vizcaya.

Sua esposa e seus dois filhos tiveram que ser levados a um hospital devido à crise de ansiedade que sofreram ao saber sobre o ocorrido, que aconteceu a poucos metros de sua casa, por isso que escutaram a explosão.

O de hoje é o primeiro atentado fatal da ETA desde que o novo Governo autônomo basco liderado pelo socialista Patxi López, tomou posse em maio.

A organização terrorista, que surgiu no País Basco há 40 anos e que busca a independência dessa região da Espanha, tornou públicas suas ameaças ao novo Executivo depois que o Partido Socialista basco e o conservador Partido Popular (PP), o principal da oposição na Espanha, firmaram um pacto para evitar que o Partido Nacionalista Basco (PNV) que não alcançou nas eleições de março uma maioria suficiente.

O atentado recebeu a repulsa geral dos representantes das instituições, partidos políticos e da hierarquia da Igreja Católica.

O rei Juan Carlos, que se encontra de viagem a Cingapura, fez chegar aos familiares da vítima seu "pesar, indignação e condenação" do crime, da mesma forma que o presidente do Governo, José Luis Rodríguez Zapatero, que participou hoje em Bruxelas de uma cúpula da União Europeia.

Zapatero, que adiantou seu retorno à Espanha, expressou sua "firmeza e determinação inquebrantável" de acabar com a ETA.

Patxi López, o novo lehendakari (presidente regional basco), condenou o atentado e fez um aviso à ETA de que vai acabar com ela.

O dirigente basco convocou os cidadãos a expressar sua rejeição ao grupo terrorista este sábado com concentrações em frente às sedes das instituições e com uma grande manifestação na cidade de Bilbao.

"Eles nos ensinaram o caminho do dor, nós vamos ensinar-lhes o caminho da prisão", acrescentou.

Todos os partidos políticos condenaram esta última ação da ETA e se somaram às mostras de apoio à família do inspetor.

O líder da oposição conservadora (PP), Mariano Rajoy, afirmou que a derrota da ETA "está mais perto que nunca".

O presidente de seu partido no País Basco, Antonio Basagoiti, com cujo apoio governa o socialista Patxi López, apelou para a unidade de todas as forças para derrotar a organização terrorista.

A ETA, debilitada pelas últimas operações policiais na França e na Espanha que desmantelaram sucessivamente sua direção nos últimos meses, não tinha cometido um atentado com vítimas fatais desde dezembro de 2008, embora tenha perpetrado outras ações que causaram danos materiais.

No dia 3 de dezembro, dois pistoleiros mataram a tiros o empresário Ignacio Uria, proprietário de uma das empresas que participam da construção da via do trem de alta velocidade que unirá o País Basco com as principais cidades espanholas e com a França.

No ano passado, a organização terrorista assassinou quatro pessoas, mas desde maio de 2003, não tinha matado a um membro da Polícia Nacional espanhola.

Ao longo de seus quatro décadas de ação terrorista, a ETA assassinou mais de 850 pessoas, O atentado de hoje coincide com o 22º aniversário de sua ação mais sangrenta, o atentado cometido no estacionamento da Hipercor, lojas de departamento de Barcelona, no qual 21 pessoas morreram e 45 ficaram feridas no dia 19 de junho de 1987. EFE nac-mlg/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG