ETA encomendou ataque contra juiz a chefe de grupo desarticulado

Madri, 24 jul (EFE) - A direção da organização separatista ETA ordenou há um ano ao suposto chefe do Comando Vizcaya, Arkaitz Goikoetxea, que seguisse e vigiasse o juiz da Audiência Nacional espanhola Fernando Grande-Marlaska em sua casa de férias para preparar um atentado contra o magistrado.

EFE |

Os planos foram revelados pelo próprio Goikoetxea, que foi detido na madrugada de terça-feira e está nas dependências da Guarda Civil, junto a outros oito supostos membros e colaboradores do grupo, informaram hoje fontes jurídicas.

O juiz contra o qual se preparava o atentado pertence à Audiência Nacional, com sede em Madri, o tribunal que julga na Espanha os crimes de especial relevância.

Grande-Marlaska, que atualmente se encontra de férias, tem uma casa em uma cidade de Ezcaray, em La Rioja, no norte da Espanha e próxima ao País Basco, na qual se encontra também uma casa dos pais de um dos detidos na operação para desarticular o Comando Vizcaya.

Hoje, após saber dessa informação, o juiz disse que está "tranqüilo", que "são ossos do ofício" e que "o estranho seria não aparecer" entre os alvos do grupo.

A Guarda Civil localizou em Ezcaray um esconderijo relacionado com o grupo desarticulado na última terça-feira. EFE na/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG