ETA comete 2 atentados no País Basco em resposta a medidas judiciais

Bilbao (Espanha), 21 set (EFE) - O grupo separatista ETA ressurgiu hoje ao explodir dois carros-bomba no País Basco (norte da Espanha) em resposta às novas medidas judiciais adotadas esta semana contra seu entorno político e social.

EFE |

Os atentados, que deixaram dez pessoas levemente feridas, foram cometidos contra sedes sociais de um grupo bancário em Vitoria (capital do País Basco) e contra uma delegacia da Polícia autônoma basca (Ertzaintza) na região de Ondarroa.

O primeiro veículo explodiu por volta da meia-noite local deste sábado junto à sede bancária, e a segunda explosão foi diante de uma delegacia, às 4h local deste domingo (23h de sábado, pelo horário de Brasília).

Ambos os carros estavam carregados com cerca de 100 quilos de explosivos, motivo pelo qual causaram grandes destruições.

Um agente da Ertzaintza e uma jovem de 15 anos são os dois únicos feridos pela explosão em Ondarroa que permanecem internados, informaram à Agência Efe fontes do hospital.

Os atentados foram cometidos no final de uma semana na qual o entorno político e social da ETA, grupo separatista que matou mais de 850 pessoas desde 1968 em sua luta por um Estado basco independente, sofreu dois duros golpes.

Na terça-feira, a Corte Suprema declarou ilegal o partido Ação Nacionalista Basca (ANV) por considerar que este cedeu suas candidaturas nas prefeituras do País Basco ao Batasuna, uma coalizão ilegalizada em 2003 por ser considerada o braço político da ETA.

Um dia depois, a Audiência Nacional espanhola condenou 21 dirigentes de Gestoras Pró-Amnistia, um grupo de apoio dos presos da ETA e de suas famílias, a penas de 8 a 10 anos de prisão por considerar que também fazem parte do grupo.

Os atentados de hoje foram condenados por todos os partidos espanhóis.

O chefe do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, assegurou durante um comício do Partido Socialista (PSOE) que o Estado democrático "não retrocederá nem um milímetro" diante da ETA e que serão os violentos que serão derrotados, pois seu destino é a prisão. EFE nac/fh/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG