Estudos consideram meditação transcendental uma cura para depressão

Washington, 7 abr (EFE).- A meditação transcendental pode ser uma forma efetiva de reduzir a depressão, indicam dois estudos apresentados hoje na reunião anual da Sociedade de Medicina do Comportamento, celebrada em Seattle (Estados Unidos).

EFE |

As pesquisas, realizadas na Universidade Charles Drew, de Los Angeles, e a Universidade do Havaí, incluíram participantes negros e nativos do Havaí maiores de 55 anos com risco de sofrer doenças cardiovasculares.

A depressão é considerada um importante fator de risco neste tipo de doença, de acordo com os cientistas.

Os participantes de ambos os estudos que praticavam a meditação transcendental mostraram uma redução importante dos sintomas de depressão na comparação realizada com os grupos de controle.

Os estudos, financiados pelos Institutos Nacionais da Saúde, constataram que a maior queda foi registrada entre os participantes que tinham sintomas de depressão clínica.

"Esses resultados são encorajadores e comprovam os testes de eficácia da meditação transcendental como ajuda terapêutica para o tratamento da depressão clínica", assinalou Héctor Myers, autor de um dos estudos e diretor de Treinamento Clínico do Departamento de Psicologia da Universidade de Los Angeles.

Nos Estados Unidos, calcula-se que cerca de 18 milhões de pessoas de idade avançada sofram algum tipo de depressão.

Gary Kaplan, professor de Neurologia da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, destaca a importância de se reduzir a depressão em pacientes de idade de risco de problemas cardíacos.

Segundo ele, "qualquer técnica que não envolva uma medicação adicional nessa parte da população é bem-vinda". EFE ojl/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG