Estudos apontam impacto demográfico sobre florestas

LONDRES (Reuters) - O crescimento da demanda global por alimentos, combustíveis e madeira criará uma pressão inédita e insustentável sobre os remanescentes florestais do mundo quando a população passar dos atuais 6 bilhões para 9 bilhões de habitantes, segundo dois relatórios divulgados nesta segunda-feira. O texto da Iniciativa por Direitos e Recursos (RRI, entidade dos EUA) diz que esse fenômeno pode agravar o aquecimento global e ameaçar povos indígenas.

Reuters |

'Pode argumentar que estamos à beira da última grande ocupação fundiária global', disse Andy White, co-autor do relatório intitulado 'Vendo as Pessoas Através das Árvores'.

'A não ser que algumas medidas sejam tomadas, os donos tradicionais das florestas, e as florestas em si, serão os grandes perdedores. Isso significará mais desmatamento, mais conflito, mais emissões de carbono, mais mudanças climáticas e menos prosperidade para todos.'

Área de 12 Alemanhas

A RRI é uma coalizão global de ONGs ambientais e conservacionistas, com foco específico na proteção das florestas e no gerenciamento e direitos dos povos nativos.

O relatório diz que, se não houver um rápido incremento da produtividade rural, uma área equivalente a 12 Alemanhas terá de ser devastada para dar lugar a mais produção de alimentos e biocombustíveis até 2030.

Praticamente todo o aumento deve ocorrer nos países em desenvolvimento, principalmente em áreas florestais.

O segundo relatório, intitulado 'Da Exclusão à Propriedade', diz que os governos ainda são donos da maioria das florestas nos países em desenvolvimento, mas pouco se empenham para garantir a permanência e os direitos dos seus povos, que habitualmente se comportam como os seus melhores guardiões.

O RRI diz que os governos não conseguem conter as incursões agro-industriais sobre as terras indígenas. Cita como exemplo o cultivo da soja e da cana no Brasil, que deve saltar de 28 milhões de hectares atualmente para 128 milhões até 2020 -- com grande avanço da fronteira agrícola sobre a Amazônia.

'Enfrentamos um déficit de democracia, afetada pelo conflito violento e pelos abusos aos direitos humanos', disse o advogado ganense Kyeretwie Opoku, especialista em direitos civis, ao comentar os relatórios.

'Devemos tratar das desigualdades subjacentes consultando os povos da floresta e permitindo que eles tomem decisões próprias relativas às ações da indústria e à conservação', acrescentou.

Leia mais sobre: desmatamento

(Reportagem de Jeremy Lovell)

    Leia tudo sobre: desmatamento

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG