Estudo revela que violência entre casais britânicos começa na adolescência

Londres, 1º set (EFE).- Um terço das jovens britânicas são vítimas de abusos sexuais cometidos por seus namorados e uma em cada quatro diz já ter sido agredida por eles, segundo um estudo publicado hoje pela Universidade de Bristol.

EFE |

A pesquisa, realizada em conjunto com a Sociedade Nacional para a Prevenção do Abuso Infantil (NSPCC, na sigla em inglês), revela ainda que uma em cada 16 jovens do Reino Unido já foi estuprada pelo menos uma vez pelo parceiro.

Para este estudo, pesquisadores entrevistaram 1.353 jovens britânicos de ambos os sexos e com idades entre 13 e 17 anos.

Entre os adolescentes do sexo masculino, apenas um em cada 17 diz já ter sido obrigado a manter relações com sua namorada. Mas um em cada cinco também afirma ter sido vítimia de maus-tratos.

Um dos autores do trabalho, o professor David Berridge, definiu os resultados da pesquisa como "devastadores". Com base nos dados coletados, ele cobrou do Governo medidas para evitar que a violência se instale nos relacionamentos amorosos e sexuais dos jovens.

"Foi realmente surpreendente constatar que a violência começa em idades tão precoces. É um problema muito sério, ao qual os legisladores devem dar absoluta prioridade", acrescentou o acadêmico.

Muitas das jovens que foram maltratadas ou violentadas disseram que suportam os abusos por medo de perderem seu namorado ou por se sentirem culpadas por terem provocado a situação.

O estudo mostra ainda que aquelas jovens com um namorado mais velho são mais propensas a sofrer abusos. No caso dos homens, aqueles com amigos violentos têm mais chances de desenvolver um comportamento agressivo contra sua namorada.

Para pôr freio a esta situação, os especialistas consideram imprescindível que pais, educadores e legisladores trabalhem juntos para educar, proteger e apoiar este vulnerável grupo populacional.

EFE avh/sc um sombrio retrato das relações sentimentais no Reino Unido que ++reabre++ o debate sobre a necessidade de políticas de apoio a este coletivo.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG