Estudo revela que as muçulmanas dos EUA querem acabar com estereótipo

As muçulmanas americanas são educadas, ativas e se igualam com os homens em termos de rendas, revela um relatório que, segundo seus autores, destroi o estereótipo associado ao Islã.

AFP |

"O que percebemos com esse estudo é que as muçulmanas dos Estados Unidos são, a grosso modo, iguais aos homens e a outras mulheres quanto ao nível de educação, a renda e a prática religiosa", afirma o analista Ahmed Younis, do Centro Gallup para Estudos Muçulmanos.

"A tese segundo a qual os muçulmanos 'não são como nós porque suas mulheres são oprimidas' simplesmente não é verdadeira nos Estados Unidos", acrescenta.

O estudo, realizado no ano passado com 946 muçulmanas num total de 319.000 pesquisadas nos Estados Unidos, revela que 42% delas têm diploma universitário, mais que os homens muçulmanos (39%) e que a média dos americanos (29%).

Somente os judeus têm um índice melhor (61%), segundo os autores do informe. No conjunto da população, os americanos são ligeiramente mais graduados que as americanas (30% contra 29%).

A pesquisa revela, além disso, que as muçulmanas ganham tanto quanto os muçulmanos em todas as faixas de renda, o que dá a esta comunidade a maior igualdade salarial e religiosa nos Estados Unidos.

Do total, 46% das muçulmanas americanas se declaram de "cabeça aberta", frente a 38% dos muçulmanos.

"Para uma muçulmana, viver nos Estados Unidos implica as mesmas possibilidades e as mesmas liberdades que o país concede às mulheres em geral", observou Younis. "Elas vivem uma experiência única em relação aos outros muçulmanos no resto do mundo".

A modo de comparação, apenas 23% dos muçulmanos (homens e mulheres) se dizem "abertos" na França e 7% no Reino unido, contra 41% nos Estados Unidos.

Os autores do estudo esperam que o mesmo possa mudar a visão que os americanos têm dos muçulmanos, cuja imagem sofreu muito depois dos atentados de 11 de setembro.

"Eles constituem o grupo religioso com pior percepção por parte dos americanos", resume Dalia Mogahed, do Centro Gallup para Estudos Muçulmanos.

"Somente 45% dos americanos acham que os muçulmanos do país são leais aos Estados Unidos e 25% dizem que não gostariam de tê-los como vizinho", acresenta.

Um outro estudo realizado pelo Gallup no ano passado entre muçulmanos em todo o mundo revelou que eles admiram o Ocidente, sua democracia, suas liberdades e seus avanços tecnológicos, segundo Mogahed.

Quando entrevistados, os americanos foram indagados sobre o que admiravam na cultura muçulmana e a imensa maioria respondeu: "nada".

kdz/bar/cn/fp

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG