Estudo mostra retorno rápido à biodiversidade após maior extinção em massa

Os amonites, moluscos marinhos que escaparam por pouco da extinção total quando mais de 90% das espécies desapareceram há 252 milhões de anos, reconquistaram os ecossistemas de 10 a 30 vezes mais rápido do que o previsto, segundo uma equipe franco-suíça de paleontólogos.

AFP |

Essa diversificação "explosiva" levou a uma "revisão completa de como a biosfera funciona após uma crise de extinção em massa", ressalta Gilles Escarguel (Universidade de Lyon, França), um dos principais autores desse estudo divulgado na revista científica norte-americana Science.

No momento em que os cientistas temem "uma sexta grande extinção" de espécies, ele considera este resultado "interessante para o futuro" da Terra, e até da Humanidade.

Até então, considerava-se que após uma extinção maciça, como a que ocorreu há 252 milhões de anos, fossem necessários "cerca de 20 a 30 milhões de anos para que fossem encontrados os níveis de biodiversidade equivalentes aos que existiam antes", explicou nesta sexta-feira à AFP.

Os amonites reconquistaram em 1 milhão de anos "níveis de biodiversidade comparáveis, e até superiores", aos de antes da extinção, resume ele, depois de sete anos de pesquisas.

A extinção que levou ao desaparecimento de mais de 90% das espécies há 252 milhões de anos, a maior já vista, teria ocorrido, principalmente, devido a enormes erupções vulcânicas, que emitiram uma grande quantidade de gases que envenenaram os oceanos. Mas isso permanece "incrivelmente complexo", considera Escarguel.

Escarguel ressalta as implicações deste trabalho para o futuro, no momento em que, disse ele, se constata uma "diminução da biodiversidade, diretamente e indiretamente ligada à atividade humana".

"Se, efetivamente, estamos prestes a entrar em uma fase de grande extinção" das espécies, a ideia de que o retorno da biodiversidade poderá ocorrer mais rápido que o previsto é "animadora", mas "algumas centenas de milhares de anos, um milhão de anos", isso continuaria sendo "insuportável para a nossa Humanidade".

ah/dm

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG