Estudo mostra que maioria pode torturar se receber ordem

Por Maggie Fox WASHINGTON (Reuters) - Há coisas que nunca mudam. Cientistas apresentaram nesta sexta-feira os resultados da repetição de um antigo estudo que provou - antes e agora - que as pessoas obedientemente torturam desconhecidos com dolorosos choques elétricos se receberem tal ordem de uma autoridade.

Reuters |

No experimento realizado por Jerry Burger, da Universidade Santa Clara, na Califórnia, 70 por cento dos participantes continuaram aplicando os choques -- ou pelo menos pensando que aplicavam -- depois que um ator no papel de vítima afirmava estar sentindo dor.

"O que descobrimos é a validação do mesmo argumento -- se você coloca as pessoas em certas situações, elas vão agir de forma surpreendente, ou talvez até perturbadora," disse Burger por telefone. "Esta pesquisa ainda é relevante."

Em 1961, o professor Stanley Milgram, da Universidade Yale, publicou um experimento em que voluntários deveriam aplicar choques (na verdade simulados) em pessoas que errassem as respostas a determinadas perguntas.

Milgram relatou que, após ouvirem um ator gritar de dor sob um suposto choque de 150 volts, 82,5 por cento dos participantes continuavam aplicando os choques, e a maioria ia à voltagem máxima 450 volts.

A experiência surpreendeu psicólogos, mas nunca havia sido replicada por causa da angústia sofrida por muitos voluntários que acreditavam estar aplicando choques.

"Quando você escuta o homem gritar e dizer 'Deixa eu sair aqui, não aguento mais', esse é o ponto em que aparece o verdadeiro estresse pelo qual as pessoas criticaram Milgram". disse Burger.

"Foi uma experiência muitíssimo estressante para muitos dos participantes. Por essa razão ninguém pode replicar eticamente a experiência hoje."

Burger na verdade adaptou a experiência, limitando o falso choque a 150 volts para os 29 homens e 41 mulheres participantes. Ele media quantos voluntários começavam a dar novos choques quando eram assim orientados pelo líder da experiência -- que, no entanto, em seguida os mandava parar.

Na experiência original de Milgram, os 150 volts pareciam ser o ponto em que não há mais volta.

No experimento modificado de Burger, 70 por cento dos voluntários se mostravam dispostos a dar choques mais fortes do que 150 volts.

A certa altura, os coordenadores trouxeram um voluntário que sabia o que estava acontecendo e se recusou a administrar choques além de 150 volts. Apesar desse exemplo, 63 por cento dos participantes continuavam administrando choques além dos 150 volts,.

"Isso foi surpreendente e frustrante," disse Burger.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG