Estudo mostra que homens tinham úlceras e dores gástricas há 700 anos

Londres, 15 jul (EFE).- Os homens que viveram há 700 anos no México já sofriam com úlceras e dores estomacais, segundo um estudo de especialistas mexicanos, que encontraram restos da bactéria causadora das lesões gástricas em tecidos de uma múmia pré-colombiana.

EFE |

A pesquisa, publicada no recente número da revista "BMC Microbiology", foi realizada por cientistas do Departamento de Microbiologia e Parasitologia da Universidade Nacional Autônoma do México, e dirigida por Yolanda López-Vidal.

O estudo partiu da análise do tecido estomacal, da língua e do cérebro de quatro corpos mumificados de pessoas que viveram no início do século XIV no México.

Das quatro múmias, só uma delas continha fragmentos de DNA da bactéria Helicobacter pylori, causadora de dores estomacais, úlceras pépticas e câncer gástrico.

Apesar de os especialistas já terem conhecimento de que esta bactéria está presente na população mexicana há muitos séculos, esta é a primeira evidência de que essas infecções já afetavam os organismos humanos há 700 anos.

"Nossos resultados mostram que as infecções da H. pylori ocorreram ao redor do ano 1350 na área que hoje conhecemos como o México", disse à "BBC" a doutora López-Vidal.

A infecção desta bactéria afeta cerca da metade da população humana. Entre as pessoas infectadas, 15% desenvolvem úlcera e 3%, câncer de estômago.

A bactéria foi identificada em 1979 graças aos australianos John Warren e Barry Marshall, que conseguiram isolar o organismo e descobriram que o H. pylori é responsável por úlceras estomacais e a gastrite. EFE ot/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG