Estudo mostra benefício rápido para mulheres que param de fumar

CHICAGO (Reuters) - Mulheres que param de fumar podem perceber os benefícios para a saúde num prazo de cinco anos, mas os danos respiratórios e o risco de câncer de pulmão permanecem por décadas, disseram pesquisadores na terça-feira. As mulheres que abandonam o vício tiveram uma redução de 13 por cento no risco de morte decorrente de todas as causas nos primeiros cinco anos, inclusive por problemas cardíacos e vasculares. Após 20 anos, o risco de morrer por qualquer causa é o mesmo das mulheres que nunca fumaram.

Reuters |

O estudo também mostra que mulheres que começaram a fumar mais tarde estão sob menor risco de várias doenças cardiorrespiratórias, o que os pesquisadores consideraram perturbador, já que as pesquisas mostram que as meninas começam a fumar muito cedo.

'Nossas conclusões indicam que 64 por cento das mortes em atuais fumantes e 28 por cento das mortes em ex-fumantes são atribuíveis ao tabagismo', disse Stacey Kenfield, da Escola de Saúde Pública de Harvard, em Boston, uma das autoras do estudo publicado na revista da Associação Médica Americana.

Para as mortes especificamente ligadas a doenças respiratórias, houve uma redução de 18 por cento num prazo de 5 a 10 anos de abstinência, mas só num prazo de 20 anos havia uma estabilização nos mesmos níveis das mulheres que nunca fumaram.

E, embora o risco de câncer de pulmão caia 21 por cento após cinco anos sem fumar, ele só desaparece totalmente após 30 anos.

As descobertas são parte de um estudo com mais de 121 mil enfermeiras dos EUA, feito desde 1976. Outros estudos sugerem que os mesmos benefícios para a saúde valeriam também para os homens que param de fumar.

Os autores disseram que uma pesquisa feita em 2003 nos EUA mostrou que 13 por cento dos fumantes adquiriram o hábito aos 13 ou 14 anos de idade, e que 22 por cento de todos os alunos do ensino médio no país eram fumantes.

'É provável que as mortes atribuídas ao fumo aumentem com o tempo caso não haja um aumento substancial na abstinência', concluiu o estudo.

No ano 2000, segundo pesquisadores, o cigarro causou 5 milhões de mortes precoces no mundo.

A Organização Mundial da Saúde projeta que até 2030 o tabagismo provoque 10 milhões de mortes por ano, sendo 70 por cento nos países em desenvolvimento.

(Reportagem de Michael Conlon)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG