Estudo diz que minorias são mais afetadas por ameaças de terrorismo nos EUA

Los Angeles (EUA.), 22 jan (EFE).

EFE |

- Estudo feito pela Universidade da Califórnia disse que as comunidades minoritárias, como latinos e negros, são mais afetadas pelas ameaças de ataques terroristas aos Estados Unidos e acreditam que os níveis de alerta são maiores do que os anunciados no sistema de alerta do Governo do país.

O relatório publicado na revista "American Journal of Public Health" disse que o medo causado pelos alertas produz mudanças de comportamento nestas pessoas.

"Da mesma forma que se comprovou que os desastres naturais afetam certos grupos de pessoas mais que outros, agora estamos encontrando evidências de que as ameaças de terrorismo estão tendo um efeito desproporcional em alguns de nossos grupos mais vulneráveis", disse David Eisenman, que liderou a equipe de pesquisa.

A pesquisa se baseou em enquetes realizadas em seis idiomas, na cidade de Los Angeles, entre outubro de 2004 e janeiro de 2005. O estudo mostrou que as comunidades minoritárias e menos favorecidas consideram que as cores de alerta utilizadas pelo Sistema de Advertência de Segurança Nacional não refletem a verdadeira dimensão das ameaças.

Por esta razão, estes grupos minoritários apresentariam temores maiores dos que o alerta anuncia. Com isso, limitam suas atividades diárias devido a estes medos.

O estudo concluiu que o sistema utilizado pelo Governo americano deve ser revisado, para evitar que os medos relacionados ao terrorismo aumentem o "temor de desastre" e os efeitos negativos na saúde causados pela sensação de insegurança. EFE lu/plc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG