Estudo aponta efeitos na camada de Ozônio de guerra nuclear na Terra

Washington, 8 abr (EFE).- Um conflito nuclear regional que resulte na detonação do equivalente a 100 bombas atômicas como as de Hiroshima e Nagasaki provocaria um buraco em massa na camada de ozônio que afetaria gravemente a vida na superfície da Terra, afirma um estudo científico americano.

EFE |

As conclusões do trabalho, publicado na última edição da revista "Proceedings of the National Academy of Sciences" ("PNAS"), são muito mais graves do que as alcançadas nos anos 80, quando os cientistas previram que uma guerra com bombas atômicas provocaria o chamado inverno nuclear.

Os autores, das universidades do Colorado, da Califórnia e do Centro Nacional de Investigação Atmosférica, chegaram a esta conclusão após examinar "o impacto na química estratosférica da fumaça gerada pelos incêndios" de um conflito nuclear entre a Índia e o Paquistão.

O impacto de tal guerra nuclear regional seria global.

As perdas de ozônio superariam 20% no mundo todo e o buraco resultante aumentaria a radiação ultravioleta, o que "poderia impactar de forma significativa na biologia, incluindo sérias conseqüências para a saúde humana".

O estudo reconhece que o risco de um conflito nuclear em nível mundial diminuiu desde os anos 80, após o fim da Guerra Fria, mas os autores consideram que "a proliferação de armas nucleares produziu maiores riscos de um conflito nuclear regional".

Embora o relatório se baseie no conflito entre a Índia e o Paquistão, o continente asiático não é onde existem tensões nucleares.

O relatório fez esta avaliação ao mesmo tempo em que o Irã anunciou a instalação de seis mil centrífugas para produzir combustível nuclear que poderiam servir para alimentar um programa de armas nucleares, o que se teme.

Na segunda-feira, Israel, que afirmou que não permitirá que Teerã produza armas nucleares, disse que destruirá o Irã se este país o atacar.

Segundo o jornal israelense "Haaretz", o ministro de Infra-estrutura e ex-ministro da Defesa, Binyamin Ben-Eliezer, afirmou ontem que "um ataque iraniano contra Israel provocará uma dura resposta que causará a destruição da nação iraniana".

Embora Israel nunca tenha reconhecido publicamente que possui armas atômicas, os analistas consideram que o país conta com um arsenal de cerca de 200 ogivas nucleares. EFE crd/mac/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG