Restos de galáxias anãs absorvidas ou desmembradas pela maior de nossas vizinhas, a galáxia de Andrômeda, confirmam o modelo de crescimento das galáxias por canibalismo, segundo estudo publicado nesta quarta-feira pela revista britânica Nature.

"Detectamos estrelas e estruturas que são, quase com toda a certeza, restos de galáxias anãs destruídas pelos efeitos das marés de M31", como também é conhecida a galáxia de Andrômeda, explicou a equipe de Alan McConnachie, do Instituto de Astrofísica NRC Herzberg de Victoria (Canadá).

A equipe internacional de astrônomos utilizou um telescópio Canadá-França-Havaí para observar os arredores de Andrômeda, situada a 2,5 milhões de anos-luz da Via Láctea (1 ano-luz = 9,5 trilhões de quilômetros).

As imagens permitiram "descobrir uma mina de informações sobre o violento passado de Andrômeda e suas relações com Triângulo, sua galáxia satélite mais conhecida", indicou Nickolay Gnedin (Fermilab, Estados Unidos), em um comentário publicado na Nature.

Em uma ampla zona ao redor do disco conhecido de Andrômeda, os astrônomos descobriram estrelas que não puderam se formar ali por falta de densidade suficiente de gás para engedrá-las.

Daí a ideia de que sua origem sejam galáxias anás absorvidas por Andrômeda - muitas delas ainda por detectar.

A Galáxia do Triângulo é cercada por uma estrutura estelar "que é a prova de um recente encontro com a M31", afirmam os astrônomos. Milhões de estrelas foram sendo jogadas para fora do Triângulo através deste processo.

Calcula-se que este "encontro" tenha acontecido há alguns bilhões de anos, quando o Triângulo, uma pequena galáxia de 2 bilhões de estrelas, se aproximou a 'apenas' 130.000 anos-luz da gigante Andrômeda, galáxia com 100 bilhões de estrelas.

O disco de Andrômeda também foi afetado por esta passagem, o que significa que o Triângulo pode ter alimentado sua grande vizinha.

Isto "confirma diretamente os princípios de base do modelo hierárquico de formação das galáxias" por incorporação de galáxias menores, concluiram os astrônomos.

ah/ap/sd

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.