Estudo alerta para complexidade do barbeiro, vetor da doença de Chagas

Valência (Espanha), 9 mai (EFE) - Um estudo do DNA do parasita transmissor da doença de Chagas demonstra que se trata de um organismo de formas genéticas complexas e, por isso, nas diferentes regiões da América Central, onde a doença é endêmica, a resposta ao tratamento ocorre de formas diferentes.

EFE |

Fontes da Universidade de Valência (Espanha) informaram hoje que o estudo, desenvolvido há dez anos em colaboração com centros especializados de França, Reino Unido e vários países da América Latina - entre eles a Fiocruz -, foi publicado na revista americana "PLoS Neglected Tropical Diseases".

As fontes esclareceram que se trata da análise interpopulacional, "a mais extensa jamais realizada" sobre um inseto transmissor da doença de Chagas.

A pesquisa demonstra que o principal parasita transmissor desta moléstia "é, na verdade, um complexo de formas genéticas distintas que permite compreender a heterogeneidade desta doença parasitária em vários países endêmicos".

O estudo molecular que permitiu esta descoberta foi realizado mediante a análise de seqüências de DNA e, segundo as fontes, abre novas vias para o melhor controle desta doença, considerada uma das maiores causas de subdesenvolvimento de zonas empobrecidas de grande parte de países da América Latina.

Causada por um protozoário chamado Trypanosoma cruzi, esta doença parasitária ocorre em América, Argentina até México incluindo o Brasil, já que é nestas regiões onde são encontrados os barbeiros, que a transmitem, embora já tenham sido detectados vários casos nos Estados Unidos.

As fontes explicaram que a doença pode ser passada por transfusão sangüínea e através da transmissão para os recém-nascidos pelas mães grávidas infectadas.

O estudo internacional, que permitirá compreender a transmissão e características da doença e como enfrentá-la, foi dirigido e coordenado pelos pesquisadores María Dolores Bargues e Santiago Mas-Coma, do Departamento de Parasitologia da Universidade de Valência. EFE ct/bm/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG