Estudo afirma que legalização de ilegais beneficiaria economia americana

A legalização de aproximadamente 8,3 milhões de trabalhadores estrangeiros ilegais nos Estados Unidos teria como consequência um aumento de 1,27% da produtividade - e do PIB - do país, aponta um relatório divulgado nesta quinta-feira pelo instituto Cato.

AFP |

"O impacto positivo para as famílias americanas da legalização, acompanhada de um visto, seria de 1,27% do PIB, o que equivale a 180 bilhões de dólares", afirma o estudo.

O relatório apresenta o impacto de seis cenários de diferentes políticas migratórias.

Na primeira hipótese, que prevê o endurecimento dos controles na fronteira, sem outras medidas adicionais, o mercado de trabalho registraria uma diminuição de ilegais de 28,6% em 2019.

"Isso reduziria a qualidade de vida das famílias americanas em 0,55% do PIB, ou 80 bilhões de dólares na economia atual", indica o texto.

No segundo cenário, no qual o governo perseguiria os trabalhadores clandestinos no interior do país, o impacto seria de 0,45% do PIB por causa dos gastos adicionais para as empresas em termos de burocracia e custos legais, entre outros.

Um amplo programa de concessão de vistos de trabalho temporário (cenário 3), sem abordar a legalização dos que já estão dentro do país, aumentaria o PIB em 0,57%.

Já um programa de trabalho temporário para estrangeiros que provocasse a substituição de funcionários americanos teria um impacto na economia semelhante ao do cenário anterior, da ordem de 0,56% de aumento do PIB.

O estudo constata que os ilegais apresentam baixa produtividade, mas atribui este fato basicamente à "falta de confiança", ou seja à crença na "possibilidade de que possam desaparecer de repente".

No cenário 5, no qual os ilegais passam gradualmente a se integrar em um programa de trabalhadores estrangeiros temporários, sua produtividade aumentaria 14,3%. O impacto no PIB seria de 1,19%.

Se o governo, no entanto, decidir cobrar um imposto do programa de trabalhadores temporários da ordem de 31% individualmente (caso 6), o impacto benéfico se reduziria para 1,15% do PIB.

Se o imposto fosse de apenas 14%, mantendo o resto das vantagens para empregadores e trabalhadores, o lucro seria de 1,27%, ou 180 bilhões de dólares.

O presidente americano, Barack Obama, já pediu publicamente a líderes do Congresso que preparem propostas para uma reforma migratória, que pode ser debatida já no próximo ano.

jz/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG