Estudo afirma que cientistas estão felizes com jornalistas

Washington, 10 jul (EFE) - A maioria dos cientistas está feliz com os jornalistas e, ao contrário do que se pensava, eles se sentem muito confortáveis com a imprensa, revelou um estudo divulgado hoje pela revista Science. O relatório indica que a pesquisa determinou que 57% dos cientistas estão, em geral, bastante felizes com o relacionamento com os jornalistas e só 6% disseram estar bastante insatisfeitos. A conclusão foi extraída das respostas de 1.354 cientistas que trabalham em importantes campos de investigação vinculados à epidemiologia e às células-tronco em Reino Unido, Estados Unidos, França, Alemanha e Japão.

EFE |

Uma das perguntas básicas foi se os cientistas temiam que suas declarações fossem erroneamente reproduzidas e se tinham conseguido divulgar sua mensagem.

A idéia de que os cientistas se escondem em uma "torre de marfim" e rejeitam a imprensa já não se pode sustentar, disse Hans Peter Peters, do centro de estudos Forschungszentrum Jülich, da Alemanha.

Em termos gerais, o estudo aponta que a interação entre a imprensa e os cientistas não está limitada às consideradas "estrelas" da ciência.

Quase dois terços dos pesquisadores consultados disseram ter sido entrevistados pelo menos uma vez durante os últimos três anos.

Já um em cada três disse que manteve contatos com os jornalistas pelo menos cinco vezes durante o mesmo período.

O estudo acrescenta que 93% dos cientistas afirmaram que um dos grandes fatores que ajudaram a convivência com os jornalistas foi "conseguir uma atitude pública mais positiva em direção a seu trabalho".

Além disso, 46% disseram que o contato com a imprensa tinha tido um impacto positivo em sua carreira, enquanto só 30% ressaltaram que o resultado tinha sido negativo.

Por outro lado, um problema para os pesquisadores foi a falta de controle sobre o resultado do contato com os repórteres.

Nove em cada dez disseram que o principal fator que inibia esse contato era o risco de que suas declarações fossem reproduzidas incorretamente.

Steve Miller, investigador do Departamento de Estudos de Ciência e Tecnologia do University College de Londres e também jornalista, manifesta que quando faz conferências científicas, ouve com freqüência críticas de alguns que têm problemas com a imprensa.

"O fato é que me surpreendeu o resultado de nossa pesquisa quanto a que os pesquisadores biomédicos que estão sob a lupa do interesse público estão felizes com os contatos com os jornalistas", afirmou.

EFE ojl/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG