Estudantes tiram fotos do espaço em projeto escolar

Quatro estudantes espanhóis, munidos com uma câmera digital barata e um balão de látex, conseguiram tirar fotografias da estratosfera a 30 mil metros sobre a Terra em um projeto de ciências da escola. O experimento, criado por estudantes de 18 e 19 anos, consistiu no lançamento de um balão meteorológico unido a uma caixa que levava a máquina fotográfica e sensores para medir as condições de pressão, umidade, temperatura e velocidade.

BBC Brasil |

O balão inflado com hélio era controlado da Terra.

"Quando o balão alcançou os 30 mil metros de altura ele se desinflou e o equipamento retornou à Terra em um pequeno paraquedas", contou à BBC Gerard Marull, um dos criadores do projeto, batizado de Meteotek.

"Como a sonda transmitia a posição, fomos seguindo o balão de carro, até chegar ao local onde ele caiu", disse Marull.

Os estudantes se surpreenderam quando descobriram que a câmera tirou as fotos, apesar de ter sido exposta a condições extremas.

A experiência, que custou cerca de U$100, mostrou que não é necessário um grande orçamento para bater fotos do espaço.

O projeto começou em fevereiro de 2008, quando os alunos da escola IES La Bisbal, na Catalunha, começaram a construir os sensores eletrônicos.

Sob a supervisão de um professor, os quatro estudantes tinham a tarefa de completar um projeto na área de tecnologia.

"Eu gosto muito do tema de eletrônica e informática", disse Gerard Marull, "outros dos alunos gostam de meteorologia."
"Decidimos procurar um projeto que relacionasse esses temas e optamos por criar esta sonda."
Os estudantes passaram um ano trabalhando no projeto que ficou pronto em fevereiro deste ano, quando foi lançado ao espaço.

O balão, que mede cerca de dois metros e pesa 1,5 kg, transportou sonda com os sensores e a câmera. "É uma caixa que contém vários componentes eletrônicos, inclusive os sensores, e que leva a câmera no exterior", explicou Marull.

"Fizemos pequenas alterações na câmera (uma câmera digital comum) para poder controlá-la a partir do computador de bordo transportado pela sonda."
Este computador programado pelos estudantes, além de controlar os sensores e a câmera, também transmitia à Terra, por ondas de rádio, a posição do balão. Desta forma, os estudantes acompanharam seu progresso e sua localização o tempo todo.

Mas além de levar em conta todos os fatores e variáveis, os estudantes também tiveram que contar com a sorte.

Apesar de os globos meteorológicos criados para este tipo de projeto serem calibrados para chegar a até 30 mil metros de altura, muitos não passam dos 10 mil.

Além de Marull, participaram do projeto Sergi Saballs, Martí Gasull e Jaime Puigmiquel. Os quatro estudantes agora cursam a universidade e planejam inscrever o projeto em um concurso de meteorologia.

    Leia tudo sobre: apolo 11astronomia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG