Estudantes iranianos organizaram um protesto neste domingo na Universidade de Teerã para pedir mais liberdade e denunciar as políticas do presidente, Mahmoud Ahmadinejad, informou um grupo estudantil pró-reformas.

A manifestação, organizada pelo grupo reformista Escritório para a Consolidação da Liberdade (OCU), ocorreu em meio a um forte esquema de segurança. A intenção era marcar o Dia Nacional do Estudante.

"Houve um rígido controle, eles (as autoridades) não deixavam ninguém entrar, mas os estudantes quebraram o portão e entraram", contou à AFP Mehdi Arabshahi, membro da OCU.

"Vários protestavam contra Ahmadinejad, sua política de opressão nas universidades e a péssima situação da economia", afirmou.

"Os manifestantes também pediam liberdade acadêmica e respeito pelos direitos humanos", indicou Ararbshahi.

Ainda de acordo com o jovem, "milhares de estudantes de várias universidades compareceram" ao protesto de duas horas, que começou ao meio-dia.

O Dia Nacional do Estudante é celebrado em 6 de dezembro, mas fontes estudantis explicam ter decidido fazer o protesto um dia depois para evitar as cerimônias oficiais.

A agência iraniana de notícias Fars, próxima aos conservadores, informou que apenas 150 manifestantes participaram do protesto.

A Fars descreve os estudantes como "anarquistas" que gritavam "slogans extremistas", e afirma que as janelas do gabinete de segurança da universidade foram quebradas.

bur/ap

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.