Pequim, 15 mai (EFE).- Vários estudantes de uma escola de Mianyang, que fica próxima ao epicentro do terremoto que atingiu a província chinesa de Sichuan na última segunda, cantaram músicas sob os escombros durante as 40 horas que esperaram pelo resgate, afirma o jornal The Beijing News.

A história de Li Anning, uma jovem de 16 anos, e seus colegas é uma das experiências pessoais com final feliz que ainda acontecem após o pior tremor de terra sofrido pela China em mais de 30 anos.

Na última segunda às 14h28 (horário local), Li estava assistindo à aula de geografia quando as estantes e as carteiras começaram a tremer em uma das salas de aula da Escola Secundária Número 1 de Beichuan, no epicentro do terremoto.

"Nossa sala, no quarto andar, começou a tremer e não apenas o quarto, mas o quinto, o quarto e o terceiro desabaram ao mesmo tempo", declarou Li horas depois de ser resgatada ontem.

Após o desabamento e com uma luz fraca, Li segurou o braço de seu colega de classe Li Yuanfeng.

"Peguei uma das mãos dele. Eu chamei, mas não respondia. No começo, sua mão estava morna, mas esfriou bem rápido", declarou Li ao jornal no apavorante relato da morte de seu amigo.

Dez horas após o terremoto, Li conseguiu estabelecer contato verbal com outras três colegas e juntas começaram a se animar mutuamente para superarem a situação.

Sem lembrar qual delas começou, Li disse que em pouco tempo todas estavam cantando músicas, esperando pacientemente a chegada de alguém que as resgatasse.

"Um das frases da música 'Fairytale', de Michael Wong, que diz 'Vamos escrever nosso final juntos', nos deu força e confiança", declarou Li, que ainda se lembra de seus próprios gritos de dor enquanto era salva com vida dos escombros e transferida em uma maca.

Agora, Li está se recuperando de seus ferimentos no Hospital Central de Mianyang, cidade a 160 quilômetros do epicentro, no distrito de Wenchuan.

O principal prédio da escola desabou no terremoto, soterrando mil estudantes e professores, dos quais poucos sobreviveram até o momento. EFE pa/wr/fal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.