Estudantes afirmam que Universidade de Teerã foi cercada

Estudantes relataram por e-mail e telefone à BBC Brasil que a Universidade de Teerã se transformou num dos maiores focos de tensão da capital do Irã nesta segunda-feira.

BBC Brasil |


O iraniano Parham D. relatou que as imediações da universidade - um tradicional ponto de encontro de intelectuais e reformistas iranianos - estão cercadas por forças de segurança, e que muitas lojas e bancos estão fechados por medo de mais violência.


Estudante observa dormitório da universidade destruído após confronto / AP

"Eu estou do lado de fora e outros estudantes vieram me falar que há vários manifestantes presos em um dos campus. A polícia não deixa eles saírem para evitar que se juntem a outros manifestantes", disse. Parham acrescentou que o maior medo por parte das pessoas é a polícia secreta.

"Eles andam à paisana, se misturam entre os estudantes. Se nós nos reunimos em um grande grupo, a polícia chega e bate com cacetetes", explicou ele, afirmando que a determinação de estudantes protestarem contra a reeleição de Ahmadinejad é grande.

"Todos nós iremos protestar, não temos mais nada a perder. Tem pessoas entre nós que não querem mais ficar caladas, a frustração foi muito grande".

Protestos eclodiram em Teerã no sábado, depois que Ahmadinejad foi reeleito com mais de 62% dos votos. O adveresário reformista Mir Hossein Mousavi, que aparecia como favorito em pesquisas, ficou com 33% no pleito. O resultado levantou suspeitas de fraude por parte de Mousavi e outros líderes de oposição.

Manhã tensa

Segundo outro estudante, Yashar K., algumas lideranças alertaram para o fato de as forças de segurança iranianas terem sido autorizadas a usar munição letal nas imediações da universidade.

"Isso causou um medo muito grande, decidimos que as mulheres ficariam mais comedidas nas marchas para evitar que se machucassem, mas muitas recusaram".

Em 1999, a Universidade de Teerã foi palco de manifestações estudantis contra o regime e culminou com a morte de vários estudantes. "A lembrança de outras manifestações nos causa preocupação, mas não vamos recuar", disse Yashar.

Outros líderes reformistas se juntaram às críticas contra o resultado da eleição e novos protestos ganharam força, inclusive em outra universidade, a Universidade Sharif.

O programador Kamyar disse que presenciou esta manhã confrontos entre partidários de Mousavi e de Ahmadinejad.

"Eu estava passando por um dos bairros onde havia uma manifestação quando homens com cacetetes chegaram e entraram em brigas com o pessoal do Mousavi", relatou Kamyar.

Ele explicou que há um medo muito grande na capital de que o pior ainda estaria por vir. "Muitas pessoas, especialmente as mais velhas, recordam de cenas parecidas em outros anos e os resultados foram mortes por causa da repressão da polícia".

Kamyar também disse que viu várias pessoas, inclusive mulheres, serem presas e levadas em carros por estarem reunidos em grande número. "Em alguns casos, os militantes revidavam, atirando pedras nos policiais, que saíam correndo. Os presos então conseguiam escapar da polícia", falou Kamyar.

O governo bloqueou o envio de mensagens por celular, páginas de relacionamento social e, segundo relatos, fechou jornais pró-reformas.

Revolução

O ativista Naeim K. disse que há um clima de motivação entre os militantes por reformas. "Pode parecer exagerado, mas eu me sinto no meio de uma nova revolução. Há muita revolta entre as pessoas, principalmente os jovens, com o resultado da eleição", enfatizou Naeim, que também revelou que estaria indo a qualquer protesto que estivesse para acontecer.

Segundo ele, os jovens estudantes estão "muito motivados para trazer uma reforma ao país e que a intimidação não faria que recuassem".

Naeim K. disse que havia na manhã e na tarde desta segunda-feira um grande contingente de policiais no centro da capital, onde milhares de partidários de Mousavi se reuniram para protestar contra os resultados eleitorais. "A presença do Mousavi nos dará mais força. Vamos até o fim agora".

Leia também:

Leia mais sobre Irã

    Leia tudo sobre: irã

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG