Estudante mata 9 colegas em escola da Finlândia

Por Brett Young HELSINQUE (Reuters) - Um aluno matou nove pessoas numa escola do oeste da Finlândia antes de atirar em si próprio, nesta terça-feira, e a polícia disse que ele continua vivo, porém com ferimentos, segundo autoridades e a mídia finlandesa.

Reuters |

"Nove pessoas morreram, disse a polícia", afirmou a emissora YLE numa transmissão. "A polícia também confirmou que o atirador está vivo, mas se feriu."

Um funcionário de manutenção da escola afirmou: "Um atirador de sangue-frio entrou no prédio com uma pistola automática e começou a atirar nos alunos", disse Jukka Forsberg. "Ele também atirou em mim, não disse nada, e quando as balas saíram eu comecei a correr pela minha vida."

O prefeito da cidade de Kauhajoki, Antti Rantakokko, disse à Reuters que "várias pessoas morreram" mas que a situação já estava controlada. Kari Saarinen, coordenador da equipe de resgate, disse que o atirador estava sendo transferido para um hospital de Tampere.

A Escola de Hospitalidade Kauhajoki tinha em 2005 150 alunos e 40 professores, segundo o seu site oficial.

Durante a retirada de alunos e professores, houve um princípio de incêndio na escola, posteriormente controlado.

Saarinen, que também é o médico-chefe do hospital Seinajoki, a cerca de 60 quilômetros de Kuahajoki, disse que os hospitais da área estão em estado de alerta total. Não está claro o número de feridos, e há incerteza também sobre o de mortos.

No ano passado, o estudante finlandês Peka-Eric Auvinen matou seis colegas, uma enfermeira e o diretor da escola onde estudava, numa ação que ele anunciou num vídeo pelo YouTube. Auvinen se matou depois da chacina.

"Isso é muito deprimente. Passou pouco tempo desde o caso da escola Jokela, em novembro passado", disse Saarinen.

Rantakokko disse que já foram achadas na Internet "algumas informações e analogias relativas ao caso Jokela."

Uma busca no YouTube apresenta quatro vídeos divulgados por um usuário que se identifica como Mr. Saari, 22 anos, morador de Kauhajoki. Os vídeos, com duração de 20 a 32 segundos, mostram um homem vestido em cores escuras e disparando uma pistola num estande de tiro.

"E de repente houve guerra, e as mães choraram. Por vingança e represálias a uma outra guerra", diz uma frase no perfil de Mr. Saari. Os vídeos foram tirados do ar logo depois do incidente.

A Finlândia tem um dos maiores índices mundiais de cidadãos armados, atrás apenas de EUA e Iêmen, segundo estudo feito em 2007 pelo Instituto Graduado de Estudos Internacionais, em Genebra.

Após o incidente anterior, o governo tomou algumas medidas para endurecer as regras do porte de armas. Na terça-feira, líderes da coalizão governista realizaram uma reunião de emergência.

Kauhajoki, com 14 mil habitantes, fica na província da Finlândia do Oeste. A escola técnica local ensina gastronomia, turismo e economia doméstica.

(Reportagem adicional de Tarmo Virki, Sakari Suoninen, John Acher, Wojciech Moskwa, Elinor Schang, Simon Johnson, Bjorn Rundstrom, Anna Ringstrom, Sofia Hilden e Kim McLaughlin)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG