Tamanho do texto

Marrakech (Marrocos), 29 out (EFE).- O jovem marroquino Yassin Belassal, condenado em setembro a um ano de prisão por ofender à Monarquia em um desenho, relacionando o rei ao clube de futebol Barcelona, saiu hoje em liberdade provisória de uma prisão de Marrakech.

Abalado pelas condições que enfrentou atrás das grades, onde dividiu cela com mais de 80 presos, a primeira coisa que ele fez foi agradecer ao rei Muhammad VI pela libertação.

O jovem reconheceu ter pintado "Deus, a pátria, o rei e o Barça" no quadros-negro de sua escola, modificando com isso o lema nacional marroquino e equiparando a figura do monarca com a do F.C.

Barcelona.

"Seu amor pelo Barcelona foi o que o levou à prisão", assegurou esta manhã seu pai.

Em uma das muitas versões contraditórias que circularam em torno do caso, se assegurou que Belassal tinha substituído no lema nacional a palavra "rei" pelo nome de seu clube favorito.

No entanto, a denúncia apresentada perante o juiz acusa o jovem de ter escrito em um desenho fora de seu centro de estudos a frase "Que Deus maldiga a teu pai", em referência ao monarca alauí Muhammad VI.

Pela ofensa à monarquia explicita nessa última frase, e que é pela que oficialmente ele foi processado, o jovem poderia ter sido sentenciado a cinco anos de prisão, segundo indicou Mohammed el-Ghalussi, advogado da Associação Marroquina de Direitos Humanos (AMDH), que esteve à frente da defesa.

Durante a audiência foi solicitado ao promotor que levasse em conta a juventude de Belassal, de 18 anos, assim como o fato de que essa frase não foi lançada por uma verdadeira falta de respeito à Coroa, mas como uma provocação sem transcendência dirigida aos seus companheiros.

Além disso, os advogados de defesa mostraram o dano à monarquia, à imagem exterior do país e à democracia, que poderia supor a permanência na prisão de um estudante.

Está previsto que a segunda e em princípio última sessão do processo de apelação se celebre em 5 de novembro, data em que a defesa pediu que seja garantido um processo "justo e em boas condições". EFE mgr/rr