Estilita japonês Issey Miyake pede a Obama que visite Hiroshima

O estilista japonês Issey Miyake, sobrevivente do bombardeio atômico de Hiroshima, aconselhou o presidente americano, Barack Obama, a visitar a cidade no dia 6 de agosto, aniversário da tragédia.

AFP |

Em artigo publicado nesta quarta-feira no jornal Herald Tribune, Miyake, de 71 anos, diz que tinha sete anos quando o exército americano lançou, em 6 de agosto de 1945, a primeira bomba atômica sobre a cidade, no oeste do Japão.

O estilista japonês aconselhou Obama a responder ao convite de Hiroshima "não para mudar o passado, mas para mostrar ao mundo que o presidente americano quer eliminar as armas nucleares".

Miyake reconhece que até agora preferiu não falar sobre o tema e "pensar em coisas que podem ser criadas e não destruídas, que tragam felicidade e beleza". Mas o discurso de Obama em Praga, em abril, a favor da eliminação das armas atômicas, "revelou algo profundo em mim, algo que não quis abordar até hoje".

"Quando fecho os olhos, ainda vejo coisas que nunca deveria ter visto: uma luz vermelha ofuscante, a nuvem negra pouco depois, gente correndo em todas as direções, tentando desesperadamente escapar. Lembro de tudo aquilo. Minha mãe morreu três anos depois em consequência da radiação", disse Miyake.

A bomba lançada em Hiroshima deixou cerca de 140.000 mortos. Algumas pessoas morreram imediatamente, outras, vários meses depois por causa da forte radiação. Os Estados Unidos lançaram uma segunda bomba em 9 de agosto em Nagasaki (sudoeste), causando mais 70.000 mortes. Em 15 de agosto, o Japão se rendeu, pondo fim à Segunda Gerra Mundial.

gca/cr/ap

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG