Estados-chave na eleição dos EUA têm mercado de trabalho ruim

Por Ellen Wulfhorst NOVA YORK (Reuters) - Os mercados de trabalho em Michigan, Ohio e Flórida --Estados considerados cruciais nas eleições presidenciais norte-americanas em novembro-- têm as piores condições entre os que podem definir o próximo ocupante da Casa Branca, mostrou um estudo na quarta-feira.

Reuters |

O mercado de trabalho de Michigan é o pior entre os 16 Estados analisados pela Challenger, Gray & Christmas, empresa de consultoria baseada em Chicago.

Ohio tem o segundo pior mercado de trabalho. A Flórida está em terceiro lugar, seguida de Nova Jersey, disse a Challenger.

Esses Estados impõem um desafio ao candidato democrata, Barack Obama, que perdeu todas as primárias nesses lugares para a senadora Hillary Clinton.

Os resultados em Michigan e na Flórida se revelaram sombrios e polêmicos. Nem Obama nem Clinton fizeram campanha pesada por ali --o nome de Obama nem estava na cédula de votação de Michigan durante as primárias-- porque as autoridades locais resolveram fazer as votações mais cedo, violando o regulamento do comitê nacional do partido.

O senador John McCain, candidato republicano à Presidência, venceu em Ohio, na Flórida e em Nova Jersey, mas perdeu em Michigan para o ex-governador de Massachusetts, Mitt Romney.

'Isso sugere que Obama precisa trazer propostas fortes, que atendam às preocupações da população desses Estados que foram atingidos severamente e que votaram em Hillary (nas primárias)', disse John Challenger, presidente da empresa.

'Acho que veremos ambos os candidatos, de ambos os partidos, focados nos eleitores daqui e em suas preocupações.' Os 16 Estados que, divididos, podem votar tanto no partido republicano quanto no democrata, são Michigan, Ohio, Flórida, Nova Jersey, Missouri, Nevada, Wisconsin, Oregon, Pensilvânia, Minnesota, Carolina do Norte, Colorado, New Hampshire, Virgínia, Iowa e Novo México.

Bastante populosos, Michigan, Ohio e Flórida são considerados pesos-presados para a corrida presidencial.

Obama e Clinton dividiram vitórias em 16 Estados --cada um venceu em oito, enquanto McCain venceu em 11 dos 16 Estados.

Em 2004, George W. Bush venceu em nove e John Kerry, em sete, mas a Challenger disse que a economia e os empregos estavam melhores na época.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG