Estados Unidos iniciam libertação de milhares de detidos no Iraque

Washington, 18 abr (EFE).- Os Estados Unidos iniciou a libertação de milhares de detidos no Iraque, e os comandantes militares esperam soltar a metade dos aproximadamente 23.

EFE |

000 prisioneiros que têm sob custódia, afirmou hoje a imprensa local.

As autoridades esperam que a libertação dos detidos, que são na maioria sunitas, venham a persuadir esta comunidade para que participe mais no processo político do país, segundo o jornal "The Wall Street Journal".

O jornal, que citou como fonte de sua informação oficial militares de alta categoria, acrescentou que "as detenções são impopulares no Iraque", e que o processo de libertação que começou é o mais importante desde a invasão do país.

Os Estados Unidos invadiram o Iraque em março de 2003 e, em dezembro deste ano, termina o mandato das Nações Unidas que dá cobertura legal à ocupação.

Washington e Bagdá estão negociando um acordo que dê um novo marco legal à presença americana no Iraque.

O general de Infantaria da Marinha Douglas Stone, chefe de operações de detenção da força multinacional no Iraque, disse que, no início de 2007, havia cerca de 15.000 detidos, e o número subiu para quase 25.000 em outubro do ano passado.

Esse aumento, disse Stone, foi devido, principalmente, à escalada militar americana, que acrescentou 30.000 soldados aos mais de 130.000 que estavam no país.

No entanto, em setembro passado, começou o processo de libertações, e mais de 8.000 iraquianos saíram desde então os centros de detenção. EFE jab/an

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG