Estado holandês foi 'responsável por três mortes em Srebrenica'

Holandeses estavam encarregados da área de segurança da ONU quando forças servo-bósnios executaram 8 mil muçulmanos em 1995

iG São Paulo |

O Tribunal de Apelações de Haia, na Holanda, decidiu nesta terça-feira que o Estado holandês foi responsável pela morte de três muçulmanos bósnios no massacre de Srebrenica em 1995, durante a Guerra da Bósnia (1992-1995). "O Estado holandês é reponsável pela morte de três muçulmanos após a queda de Srebrenica", afirmou um comunicado da corte, cujos juízes ordenaram que o governo indenize as famílias das três vítimas.

AP
Equipe forense inspeciona restos mortais em vala comum encontrada na vila de Cerska, onde se acredita estejam vítimas do massacre de Srebrenica (08/12/2010)

A decisão, que reverte um veredicto anterior, causou surpresa e abriu caminho para que famílias das vítimas - uma das quais trabalhava para as tropas da Holanda durante o conflito - peçam indenização à Holanda.

Segundo a corte de apelação, o Dutchbat - batalhão de capacetes azuis holandeses responsável por proteger Srebrenica - "não deveria ter entregue esses homens aos sérvios".

Em julho de 1995, tropas holandesas de uma missão de paz da ONU haviam sido encarregadas de proteger a região do vilarejo de Srebrenica, no leste da Bósnia, que eram alvo das forças sérvio-bósnias.

Sem armas suficientes e sem suporte aéreo da ONU, a missão foi cercada pelas tropas sérvias sob o comando do general Ratko Mladic – que está sendo julgado no tribunal para crimes de guerra de Haia. Sob pressão dos sérvios, que tomaram Srebrenica, os holandeses expulsaram entre 4 mil e 5 mil muçulmano bósnios que haviam procurado proteção no quartel-general das tropas.

As forças sérvias selecionaram cerca de 8 mil bósnios, todos homens adultos e meninos, e os executaram. O episódio é tido como o maior massacre ocorrido na Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial.

Origem da ação

A ação que motivou a decisão anunciada nesta terça-feira foi movida por parentes de Rizo Mustafic, que trabalhava como eletricista para a missão holandesa da ONU, e por Hasan Nuhanovic, que trabalhava como intérprete para a missão e perdeu o pai e o irmão no massacre.

Mustafic foi forçado a sair e acabou sendo separado de sua mulher assim que deixou o quartel. Nuhanovic foi liberado para ficar, mas seus familiares foram forçados a sair - os restos mortais de seu pai e de seu irmão foram recuperados em 2007 e 2010.

Os três homens estavam entre os últimos a ser entregues pelos holandeses às tropas de Mladic. "O Dutchbat tinha testemunhado vários incidentes em que os sérvios bósnios maltrataram e mataram refugiados homens fora do quartel. Os holandeses, portanto, sabiam que os homens corriam grande risco se saíssem do quartel."

AP
Imagem de TV mostra o ex-comandante militar sérvio Ratko Mladic durante julgamento na segunda-feira
Surpresa

Em 2008, um tribunal havia decidido que o governo holandês não era responsável pelos empregados das tropas e suas famílias porque os soldados operavam sob a autoridade da ONU. Ao reverter o veredicto anterior, o tribunal de apelações argumentou que a situação em Srebrenica foi "extraordinária", tornando necessário um maior envolvimento do governo holandês no caso.

Os soldados estavam sob "controle efetivo" de militares holandeses de alta patente e membros do governo em Haia no momento em que ordenaram a centenas de homens e meninos muçulmanos que saíssem do quartel. Nesse sentido, o Estado holandês foi responsável, disse o tribunal.

O massacre de Srebrenica é uma questão delicada na política holandesa. Em 2002, o governo do país caiu após um relatório oficial ter criticado as ações dos holandeses durante o episódio. Há anos, o governo holandês enfrenta vários processos relativos ao episódio, nega as acusações, argumentando que suas tropas foram abandonadas pela ONU.

*Com AFP e BBC

    Leia tudo sobre: sérviaRatko Mladicbósniasrebrenicaholanda

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG