Esqueleto de mamute quase intacto é achado em Los Angeles

LOS ANGELES - O esqueleto quase completo de um enorme mamute que morreu durante a última era glacial foi retirado de uma obra perto do local chamado Poço de Piche La Brea, no centro de Los Angeles, disseram cientistas na quarta-feira.

Reuters |

O local é rico em fósseis, mas mesmo assim a descoberta é notável. "Zed", como foi apelidado pelos pesquisadores do Museu Page, que funciona no La Brea, morreu com quase 50 anos de idade, cerca de 40 mil anos atrás.

A descoberta é parte de uma área repleta de fósseis, com a qual operários tropeçaram ao escavarem o terreno de um futuro estacionamento subterrâneo.

AFP
Segundo pesquisadores, "Zed" morreu durante a última era glacial 

"O que o torna tão especial e excitante para nós é que Zed é um espécime completo", disse a supervisora de laboratório Sheley Cox, mostrando a jornalistas um osso pélvico ainda cheio de poeira, marrom, do tamanho de uma mesa de jantar.

"E ele é realmente grande em comparação com os mamutes que recuperamos em La Brea antes", disse Cox. "As presas são consideravelmente maiores do que qualquer coisa que tivéssemos esperado."

O mamute columbiano, como "Zed", foi uma espécie de elefante extinta quase ao final da última era glacial.

Nessa mesma "reserva" de fósseis havia cerca de 700 espécimes, inclusive um grande crânio de leão americano pré-histórico, ossos de leões, lobos, dentes-de-sabre, bisões e grandes preguiças, entre outros.

A descoberta desse tesouro deve duplicar o tamanho da coleção do museu.

Embora o Poço de Piche La Brea, no bairro de Wilshire, contenha os mais ricos depósitos da era do gelo em todo o mundo, muitos fósseis retirados do piche --uma lama com aspecto asfáltico-- vêm misturados a outros ossos. Mamutes são uma descoberta rara.

Como todos os animais descobertos no local, Zed ficou preso em um poço de piche junto a um leito de rio, e acabou morrendo de fome e cansaço.

Pesquisadores acreditam que seu esqueleto ficou tão intacto porque, logo depois da sua morte, ele foi arrastado por uma inundação e então coberto por sedimentos suficientes para manter os predadores afastados da sua carcaça.

Estima-se que o esqueleto esteja 80 por cento completo, faltando apenas uma perna traseira e uma vértebra. As presas estão inteiras e tem notáveis 3 metros de comprimento. Normalmente, são encontrados apenas cacos desses dentes protuberantes, feitos de um material frágil, a dentina.

Exames dos ossos mostram que Zed tinha entre 47 e 49 anos e havia quebrado três costelas ao longo da vida, provavelmente em brigas com outros mamutes.

Por Dan Whitcomb

    Leia tudo sobre: mamute

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG