Bogotá, 4 abr (EFE).- A colombiana Marta de Lizcano pediu hoje que seu marido, Óscar Tulio Lizcano, ex-congressista e refém das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) desde agosto de 2000, seja forte para enfrentar sua situação.

"Estamos aqui, vamos continuar lhe esperando, e como você está forte, não se permitirá morrer e tomará cuidado", disse a esposa em resposta à prova de vida do político divulgada na noite de quinta-feira pela legisladora opositora Piedad Córdoba.

A prova é a primeira de Lizcano em mais de três anos e consiste em um vídeo no qual o prisioneiro diz que é "um barco que afunda com as luzes acesas".

Além disso, pede ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, que faça, "como bom soldado de Simón Bolívar, de tudo para resgatar os reféns, porque eles estão apodrecendo na selva".

Lizcano também solicita ao presidente colombiano, Álvaro Uribe, que não recorra ao resgate à força dos seqüestrados pelas Farc, e pede que ele "reconsidere sua atitude de não desmilitarizar" a área.

O ex-congressista se referiu à recusa de Uribe em desocupar o território exigido pelas Farc para negociar o acordo humanitário ao qual está condicionada a libertação de 40 seqüestrados com fins de troca por 500 rebeldes presos.

A ex-candidata presidencial franco-colombiana Ingrid Betancourt também faz parte deste grupo.

Em entrevista à emissora colombiana "RCN", a esposa de Lizcano disse que continuará forte acompanhando-o com as mensagens que envia a ele pelas estações de rádio.

"Hoje é um dia muito bom para nós", disse a esposa do ex-congressista se referindo à prova de vida, e afirmou que agora "todo o país esteve muito sensibilizado, em suspenso por todo o drama" dos reféns.

Além disso, prometeu a ele que continuará nesta "luta libertária", como a porta-voz da associação que reúne famílias de militares e policiais seqüestrados, Marleny Orjuela, chama a campanha civil em favor dos reféns. EFE jgh/ev/db

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.