Espião britânico achado morto em mala tinha R$ 40 mil em roupas de mulher

Gareth Williams era especialista em códigos e levava uma vida reservada. Visita de casal a casa da vítima intriga policiais

BBC Brasil |

selo

A polícia londrina revelou detalhes da vida privada do espião Gareth Williams, encontrado morto, sem roupas, preso em uma sacola esportiva dentro de seu próprio apartamento em 23 de agosto. Os detalhes – como o fato de que Williams tinha uma coleção de roupas de mulher avaliada em R$ 40 mil e acessara sites de conteúdo sexual – podem ser a chave para explicar a misteriosa morte, que intriga as autoridades há quatro meses.

Williams, de 32 anos, trabalhava no MI6 (serviço secreto britânico) e era especialista em decifrar códigos. A bolsa em que o cadáver foi encontrado estava fechada com zíper, e peritos estimam que ele tenha morrido na semana anterior à descoberta do corpo. A polícia acredita que nada foi roubado do local e não encontrou vestígios de drogas ou de arrombamento. Entretanto, os investigadores acham impossível que Williams tenha se prendido sozinho na mala e supõem que havia uma outra pessoa com ele.


Visita de casal não identificado à casa da vítima intriga policiais

Descrito como extremamente reservado, Williams só foi encontrado porque a polícia foi comunicada que ele faltara ao trabalho. Também intriga os policiais a visita de um casal não identificado ao apartamento da vítima entre junho e julho. "Após ganhar acesso à área comum do prédio, eles alegaram que tinham a chave do apartamento de Gareth e foram vistos andando em sua direção", diz comunicado da polícia, que divulgou retrato falado do casal.

Vida privada

Para tentar desvendar os motivos da morte, a polícia divulgou informações que sabe que podem causar "embaraço" à família da vítima, mas fez um "apelo" para que pessoas que tenham encontrado Williams em distintas ocasiões venham a público.

Dentro de seu apartamento, foram encontradas caixas com roupas novas de grife femininas, além de perucas. Williams fez dois cursos de design de moda para iniciantes durante fins de semana e noites, o que não era de conhecimento de seus colegas e parentes. A vítima também foi vista em maio em um bar frequentado por homossexuais e, em 11 de agosto, em outro bar, onde assistiu a um show de uma drag queen. Ele possuía ingressos individuais para mais dois dias de shows do tipo. No entanto, a polícia não conseguiu localizar nenhum parceiro sexual de Williams, homossexual ou heterossexual, relata o jornal The Independent.

Investigações em seu laptop e smartphone apontam que Williams visitou poucas vezes alguns sites de bondage, um tipo de fetiche que em que as pessoas buscam prazer ao serem amarradas ou imobilizadas. Suspeitas Os legistas ainda não concluíram qual foi a causa da morte do espião, mas acredita-se que tenha sido sufocamento. O corpo tinha pequenos ferimentos na área do cotovelo, provavelmente feitos enquanto Williams tentava sair da sacola à medida em que ficava sem ar. Fora isso, "não há sinais de luta ou violência física", disse o detetive Hamish Campbell, chefe do departamento de homicídios da Scotland Yard (polícia metropolitana de Londres).

A polícia, segundo o jornal The Guardian, trabalha com a suspeita de que Williams tenha sido assassinado ou vítima de algum jogo sexual que tenha se tornado trágico involuntariamente. "O cenário alternativo é que haja algo mais sinistro (na história). Simplesmente não sabemos", afirmou Campbell, de acordo com o The Guardian, agregando que as suspeitas até o momento indicam que a morte de Williams não está "ligada ao seu trabalho, e sim à sua vida pessoal".

    Leia tudo sobre: espiãomorteGrã-bretanhamalabritânico

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG