Esperança de tratamento para as crianças atingidas por envelhecimento acelerado

Pesquisadores espanhóis e franceses testaram com sucesso em ratos de laboratório um tratamento contra o progeria, doença atualmente incurável e que provoca envelhecimento acelerado e atinge dezenas de crianças no mundo, de acordo com trabalhos publicados pela revista Nature Medicine.

AFP |

Esse tratamento poderá em breve ser testado em 15 das 25 crianças atingidas pela doença na Europa, indicou a Associação Francesa contra Miopatias (AFM), que contribui para o financiamento destes trabalhos graças às doações do programa Téléthon.

O pedido para isso já foi apresentado à Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Produtos de Saúde. Ainda à espera de autorização, o teste clínico será liderado por Nicolas Lévy (Instituto nacional da saúde e a pesquisa médica) no hospital de La Timone em Marselha.

O progeria é uma doença muito rara (três casos conhecidos na França) que atinge as crianças a partir do nascimento. As vítimas têm a aparência e certas anomalias fisiológicas de pessoas idosas: pouco cabelo, pele fina, rigidez articular e problemas cardiovasculares, por exemplo. Não há tratamento até agora e a esperança de vida continua a ser muito limitada (12-13 anos em média).

A equipe de Nicolas Lévy e de Carlos Lopez-Otin (Faculdade de medicina da Universidade Oviedo) testaram em ratos um tratamento que se trata de uma combinação de duas moléculas existentes: as estatinas - utilizadas para reduzir a taxa de colesterol no sangue e prevenir os riscos cardiovasculares - e os aminobisfosfonatos - indicados no tratamento da osteoporose.

A progeria é provocada pelo acúmulo nas células de uma proteína truncada, a progerina. Nas células de pacientes (in vitro), e depois nos ratos, os pesquisadores demonstraram que a combinação dessas duas moléculas combate a toxicidade desta proteína anormal. Desta forma, a doença se desenvolve de maneira atenuada.

O tratamento diminui assim os efeitos da doença e aumentaram a esperança de vida nos ratos: 179 dias contra 101 dias em média.

vm/fb

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG