Brilhante mas fria, idealista mas impulsivo, carismático mas misterioso: estes são os respectivos retratos dos candidatos à Casa Branca Hillary Clinton, John McCain e Barack Obama, feitos por especialistas americanos em grafologia .

Apesar de nos Estados Unidos a grafologia ser menos utilizada que na Europa, a arte de analisar a forma das letras de uma pessoa intriga a imprensa, que a cada eleição tenta analisar grafologicamente os candidatos.

"Já nas campanhas anteriores, eu participei dos programas. Sempre há os que não levam a grafologia a sério. Isso prejudica, porque ela funciona", assegura Sheila Lowe, grafóloga certificada há 40 anos na Califórnia.

Ao examinar as letras dos candidatos, os especialistas consultados pela AFP têm muito a dizer, apesar de não refletir, a princípio, a imagem pública de uma pessoa. "É a capa do livro", disse Lowe.

A letra 'nervosa' do republicano John McCain revelaria, deste modo, uma personalidade orgulhosa e idealista, apesar de impulsiva.

Segundo Roger Rubin, grafólogo há 30 anos, o candidato republicano é capaz "de ações súbitas em direções inesperadas".

O elegante mas desproporcional "J" de 'John" indicaria um grande ego, características que se encontra também no "B" de Barack.

No caso de Obama, a interpretação do estranho "O" é visto de modo unânime: "ele elimina o sobrenome da sua própria família", analisa Rubin, recordando que o senador tinha dois anos quando seu pai saiu de casa.

Se a fluidez da assinatura do candidato democrata é a marca da sua grande inteligência e de sua arte da diplomacia, sua falta de legibilidade denotaria a necessidade de proteger sua vida privada. "Ele não quer que o conheçam bem", resume Arlyn Imberman, autora de "Signatures for sucess" (Assinaturas para o sucesso).

Com Hillary Clinton e sua assinatura clara e equilibrada, "não há mistério", diz Sheila Lowe.

A simplicidade dos "l" seria sinal de um intelecto brilhante e de seu perfeccionismo, enquanto a verticalidade da escrita indicaria que a ex-primeira-dama pensa "mais com a cabeça do que com o coração".

O alto segundo traço do "H" de Hillary seria a prova da sua ambição. "Mas há suficientes curvas na escrita para dizer que ela se preocupa com as pessoas", diz Imberman.

Contudo, ao contrário da imagem passada pela assinatura do seu marido Bill Clinton, a candidata não teria muita "empatia", dizem unanimemente os especialistas.

Curiosamente, o sexo de um indivíduo ou se é destro ou canhoto raramente é perceptível na assinatura. Obama e McCain são canhotos - como os ex-presidentes Gerald Ford, Ronald Reagan, George Bush pai e Bill Clinton - apesar disso, certamente, não influenciar na análise eleitoral.

vmt/fb/fp

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.