Especialistas em fauna e flora analisam o futuro de espécies ameaçadas

Genebra, 15 abr (EFE).- Cientistas de todo o mundo se reúnem a partir de hoje e até o dia 24 em Genebra para abordar questões sobre uma grande quantidade de espécies de animais e plantas que se encontram de alguma forma ameaçadas.

EFE |

Os debates ocorrerão durante a 17ª reunião do Comitê de Flora e a 23ª reunião do Comitê de Fauna da Convenção da ONU sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Silvestres (Cites).

Muitas das espécies que serão analisadas estão no mercado internacional, apresentadas na forma de produtos alimentícios, remédios tradicionais, madeira, perfumes, lembranças para turistas e até animais de estimação.

O Comitê de Flora examinará os progressos realizados quanto aos planos de ação para a conservação e uso sustentável das espécies de madeira incluídas nos Apêndices da Cites, como o mogno, o cedro sul-americano e o pau-rosa.

Além disso, o Comitê de Flora redigirá diretrizes para ajudar os países exportadores a determinar a sustentabilidade das exportações de madeira e produtos medicinais.

Por último, examinará e prestará assessoria sobre as espécies de árvores e os produtos de madeira que deveriam ser controlados pela Cites.

Quanto à reunião do Comitê de Fauna, está previsto que as deliberações sobre a sustentabilidade do comércio internacional de tubarões e esturjões monopolizem grande parte da atenção.

Os esturjões e os peixes-espátula são peixes de água doce muito procurados. Suas ovas (vendidas como caviar) são um dos produtos de vida silvestre mais valiosos no comércio.

As preocupações sobre a pesca predatória destas espécies levaram à sua inclusão nos Apêndices da Cites no final da década de 1990, e, desde então, o comércio internacional de todos os produtos de esturjão e peixes-espátula está rigorosamente regulamentado.

No entanto, é preocupante que a pesca e o comércio ilegais continuem constituindo uma ameaça para a sobrevivência destes peixes.

O Comitê de Fauna avaliará os métodos de supervisão utilizados para as reservas compartilhadas por vários países, como os do mar Cáspio.

Em relação a outras espécies, serão examinados, por exemplo, as rãs Mantella de Madagascar - que são muito procuradas para servir de animais de estimação - assim como a situação de algumas aves, répteis e moluscos.

Outro ponto do programa será o exame do comércio de pequenos artigos de pele de crocodilo e a eficácia do sistema de 'etiquetagem' universal destes. EFE vh/bf/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG