Especialistas de 65 países pedem maior acesso a remédios contra aids na Ásia

Jacarta, 10 ago (EFE).- Especialistas de 65 países pediram hoje na Indonésia que se amplie o acesso aos fármacos contra a aids na região da Ásia-Pacífico, onde a prevalência da doença é ainda baixa, mas três de cada quatro afetados não recebem tratamento.

EFE |

O objetivo do nono Congresso Internacional sobre a Aids na Ásia e o Pacífico é ampliar a taxa de pacientes que recebem os retrovirais e estender para o "acesso universal", assegurou o presidente da iniciativa, Zubairi Djoerban.

"Não estamos falando de alcançar 100%, que seria o ideal. Mas se a América Latina pode tratar 62% de seus doentes, nós deveríamos tentar chegar a esse número", explicou.

A reunião de especialistas, realizada até a próxima quinta-feira, também pretende mobilizar os Governos para que combatam a discriminação de pessoas por sua orientação sexual e avancem na frente da informação.

Para Djoerban, o principal problema da região com relação ao HIV é a combinação de sexo sem proteção e drogas injetáveis.

Dos cinco milhões de asiáticos que sofrem de aids segundo a ONU, ao redor de 1,7 milhão precisam de tratamento com retrovirais, mas somente uns 425 mil doentes o recebem.

Os países com mais afetados da Ásia e o Pacífico são Tailândia, Camboja, Filipinas e Indonésia, segundo a ONU; mas os novos casos estão disparando em nações muito povoadas como China e Bangladesh.

EFE jpm/ma

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG