Especialistas chineses desenvolvem ratos com células da pele

Por Tan Ee Lyn HONG KONG (Reuters) - Pesquisadores chineses conseguiram desenvolver células-tronco a partir da pele do rato e usá-las para gerar filhotes férteis.

Reuters |

Eles usaram células da pele de pluripotência induzida, ou células iPS - reprogramadas para parecerem e agirem como células-tronco embrionárias. As células-tronco embrionárias, retiradas de embriões com apenas alguns dias, têm a capacidade de se transformar em qualquer tipo de célula e, nos ratos, podem ser implantadas no útero de uma fêmea para criar filhotes de rato.

A experiência dos cientistas, publicada na Nature, indica que é teoricamente possível clonar alguém usando células comuns do tecido conjuntivo encontradas na pele de uma pessoa, mas os especialistas procuraram se afastar das polêmicas desse tipo.

"Estamos confiantes de que um bem tremendo poderá vir da demonstração da versatilidade das células reprogramadas nos ratos e de que essa pesquisa será usada para compreender as causas de doenças e levar a tratamentos viáveis e à cura de males humanos", disse Fanyi Zeng, do Instituto Xangai de Genética Médica da Shanghai Jiao Tong University.

"Não seria ético tentar usar as células iPS na reprodução humana. É importante para a ciência ter limites éticos", afirmou ela, acrescentando que o estudo "de forma nenhuma indicava um primeiro passo nessa direção".

Nunca ninguém clonou um ser humano e muitas experiências com células-tronco em ratos - mas não todas -- são repetidas em humanos.

Liderada por Qi Zhou no Laboratório de Biologia Reprodutiva State Key da Academia Chinesa de Ciências, a equipe desenvolveu células iPS usando fibroblastos de rato, que são as células encontradas no tecido conjuntivo da pele.

As células-tronco são as células-mestre do corpo, dando origem a todos os tecidos, órgãos e ao sangue. As células-tronco embrionárias são consideradas o tipo mais potente de células-tronco, pois têm o potencial de dar origem a qualquer tipo de tecido.

Mas a sua produção é difícil e requer o uso de um embrião ou de tecnologia de clonagem. Muitas pessoas se opõem ao uso de células-tronco embrionárias humanas e diversos países limitam o financiamento a tais experiências.

A partir das células da pele, os cientistas chineses criaram 37 linhagens de células-tronco e, a partir destas, três nascimentos.

"Uma linhagem é capaz de gerar ratos adequados e o que temos que está vivendo há mais tempo tem nove meses", disse Zeng à Reuters.

"Ele já gerou mais de 100 (ratos) da segunda geração e mais de 100 (ratos) da terceira geração. Isso demonstra como o sistema é fértil e forte."

A experiência chinesa provocou dúvidas e cautela entre outros pesquisadores de células-tronco não associados ao estudo.

"Esses pesquisadores demonstraram, pela primeira vez e de modo inequívoco, que as linhagens de iPS desenvolvidas por eles são verdadeiramente pluripotentes", escreveu Andrew Laslett, líder de grupo de Tecnologia de Célula-Tronco Embrionária Humana no Centro Australiano de Célula-Tronco em Melbourne, na Austrália.

Pluripotente é um termo que significa que as células podem dar origem a todos os tecidos do corpo.

"Entretanto, a estabilidade no longo prazo tanto das linhagens de células iPS e da saúde no longo prazo dos ratos gerados usando esse procedimento ainda têm de ser reportados. Será interessante observar se os ratos gerados dessa forma têm uma propensão maior para a formação de tumores", escreveu Laslett.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG