Especialista pede novo exame para determinar se Allende se suicidou

Santiago do Chile, 9 set (EFE) - Um legista chileno questionou a versão de que o presidente Salvador Allende se suicidou durante o golpe militar de 11 de setembro de 1973 e recomenda uma nova análise para estabelecer com precisão a causa de sua morte. O médico legista Luis Ravanal, que elaborou o relatório a pedido de dois advogados e sobre a base da documentação disponível sobre a morte de Allende, afirma que o dirigente socialista recebeu dois disparos, de armas diferentes. As lesões descritas no relatório de autópsia do presidente Salvador Allende Gossens não são compatíveis com um disparo de tipo suicida, assegura Ravanal, segundo uma reportagem publicada na edição de hoje da revista chilena El Periodista. Segundo o relatório de autópsia, feito por José Luis Vásquez, médico do Hospital Militar, Allende morreu por causa de um ferimento de bala cérvico-buco-crânio-encefálico recente, com saída de projétil. O ferimento foi produzido por um disparo de curta distância, provavelmente com o cano da arma diretamente apoiado sobre os tegumentos (tecidos) e que poderia ter sido feito pela própria pessoa. As dúvidas sobre a veracidade desse relatório se baseiam, entre outras razões, em que o médico Vásquez é o mesmo que, em julho de 1976, disse que o diplomata espanhol Carmelo Soria tinha morrido em um acidente de trânsito, quando na verdade, como ficou comprovado mais tarde, foi assassinado por agentes da Polícia secreta. Ravanal afirma, sem ...

EFE |

em um cemitério de Viña del Mar, onde permaneceu até depois da recuperação da democracia, em 1990, quando foi levado a Santiago e sepultado em um mausoléu de sua família, no Cemitério Geral. EFE ns/db

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG