Especialista em vulcões defende fechamento de espaço aéreo na Europa

Genebra, 21 abr (EFE).- Henry Gaudru, presidente da Sociedade Vulcanológica Europeia, defendeu hoje a decisão de fechar os aeroportos europeus perante o desconhecimento dos danos que a nuvem de cinzas procedente da erupção vulcânica na Islândia possam ter provocado nas turbinas dos aviões.

EFE |

"Não temos nem tínhamos nenhum tipo de dados sobre a concentração de cinzas na atmosfera, motivo pelo qual não sabíamos como (a nuvem) podia afetar as turbinas dos aviões. Portanto a única medida a tomar era o fechamento do espaço aéreo por princípio de precaução", assinalou Gaudru em entrevista coletiva.

O vulcanólogo assinalou que, em seus mais de 40 anos de carreira, sempre defendeu a segurança e a precaução como prioridade e, por isso, apoia inteiramente a decisão dos Governos europeus de suspender os voos, apesar das fortes críticas recebidas pelas companhias aéreas que amargam prejuízos com isso.

Segundo ele, o caos provocado pela erupção do vulcão Eyjafjalla se deve principalmente aos ventos que sopravam em direção ao sudeste e que empurraram a nuvem de cinzas para a Europa.

"Normalmente ocorrem erupções no mundo todo e o espaço aéreo dos locais é fechado, mas de forma mais reduzida. Neste caso, o problema foi o vento que empurrou a nuvem rumo à Europa, muito populosa e economicamente fundamental", acrescentou Gaudru. EFE mh/sa

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG