Pequim, 4 mai (EFE).- Um especialista de um órgão oficial chinês sobre o Tibete acusou hoje o Congresso da Juventude Tibetana (TYC, em inglês) de buscar apoio de organizações internacionais terroristas como a Al Qaeda, informou a agência Xinhua.

As declarações ocorrem no mesmo dia em que começaram as conversas na China entre representantes chineses e do dalai lama, que estão empenhados em encontrar uma solução para o conflito no Tibete.

Não é a primeira vez que estudiosos oficiais chineses criticam o TYC, um dos grupos que Pequim acusa de ser responsável pelos distúrbios no Tibete, qualificado pelo Governo como uma associação "de natureza terrorista".

"O TYC se transformou em uma organização terrorista e os conceitos de violência se estabeleceram nele", disse um especialista do Centro Chinês de Pesquisa de Tibetologia da China.

Outra pesquisadora do instituto, Bi Hua, diz que o TYC foi fundado em 1970 sob "incentivo direto do dalai lama", quando alguns jovens tibetanos no exílio se transformaram em pessoas "decadentes e cansados da vida".

Segundo Bi, depois dos distúrbios de 14 de março, o TYC aprovou a decisão de "encontrar um movimento de guerrilha o mais rápido possível, para entrar secretamente na China e empreender a luta armada", durante um encontro de seu comitê executivo em Dharamsala, sede do Governo tibetano no exílio.

Em artigo publicado pela "Xinhua", Lian Xiangmin, do CPTC, afirma que o dalai lama e o TYC têm o mesmo objetivo, e as diferenças estão só nas estratégias e meios.

A imprensa estatal chinesa, controlada diretamente pelo Governo, traz muitos artigos hoje contra o regime tibetano no exílio. EFE cg/rr

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.