Espanha enviará fragata e petroleiro em missão da UE na Somália, diz ministra

Djibuti, 2 nov (EFE).- A ministra da Defesa espanhola, Carme Chacón, anunciou hoje que a Espanha enviará uma fragata e um petroleiro de apoio à Somália, onde participará do comando operacional da missão que a União Européia (UE) vai iniciar em janeiro para combater a pirataria na costa somali.

EFE |

Chacón, que viajou ao país acompanhada do chefe de Estado-Maior da Defesa, general Julio Rodríguez, visitou hoje os 90 militares espanhóis, a maioria da Aeronáutica, que, desde o final de setembro, estão em Djibuti participando de uma missão de vigilância e controle marítimo no Golfo de Áden.

A ministra passou o dia com o seu colega francês, Hervé Morin, com quem também assinou um acordo de colaboração pelo qual as forças destacadas por Espanha e França na Somália atuarão de forma conjunta contra os piratas.

O pacto permitirá aos dois países europeus trocar pessoal militar, informação de inteligência e apoio mútuo.

Após assinar o acordo, Chacón disse que a Espanha se ofereceu para ficar à frente do comando da força naval da UE e fornecerá uma fragata e um petroleiro de apoio, além de manter o avião P-3 Orion na base de Djibuti.

Os ministros da Defesa da UE definirão a missão no dia 10 de novembro e provavelmente em outra reunião em 3 de dezembro.

A ministra disse que comparecerá ao Congresso em dezembro para falar das missões da Espanha no exterior e que solicitará autorização parlamentar para a nova missão na Somália.

Em declarações aos jornalistas, Chacón destacou que o Golfo de Áden é um "buraco negro para as leis e o tráfego marítimo" e acrescentou que, por suas águas, se movimentam mil piratas, que desde 2005 já realizaram 150 ataques e aprisionaram mais de 50 navios.

Por sua vez, Morin expressou a vontade e a determinação de França e Espanha em conseguir erradicar a pirataria das águas da Somália.

A atual operação dos militares espanhóis em Djibuti tem duração inicial de três meses, prorrogáveis em função das decisões adotadas no âmbito internacional, e conta com orçamento de 8 milhões de euros.

Na terça-feira passada, o P-3 Orion evitou o seqüestro de um petroleiro de bandeira panamenha no Golfo de Áden.

Atualmente, França e Espanha são os únicos países europeus presentes no Golfo de Áden, onde estão desdobradas forças de Rússia, Japão e Estados Unidos, que também dispõem na região de tropas da Combined Task Force 150, braço marítimo da operação antiterrorista "Liberdade Duradoura". EFE aam/wr/sc

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG