Espanha diz que reforçará combate a ETA na Venezuela e pede ajuda de Chávez

Granada (Espanha), 7 mar (EFE).- O presidente do Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, afirmou hoje que a Espanha redobrará os esforços para procurar as pessoas vinculadas ao grupo terrorista ETA na Venezuela e pediu que o Executivo do presidente venezuelano, Hugo Chávez, colabore nesta tarefa.

EFE |

Em entrevista coletiva em Granada, no sul da Espanha, Zapatero afirmou que vê vontade de cooperar depois de pedir "explicações" ao Governo venezuelano para esclarecer os indícios da Audiência Nacional espanhola de que o país cooperou com uma suposta aliança entre ETA e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

O chefe do Executivo espanhol assegurou que vai aumentar o acompanhamento de "um número reduzido de membros" da ETA que está há muitos anos na Venezuela para manter a "máxima determinação" na perseguição dos integrantes da organização "em qualquer lugar ou continente no qual estejam".

Nos próximos dias, o diretor-geral da Polícia e da Guarda Civil espanholas, Francisco Javier Velázquez, deve viajar para Caracas.

"Espanha e Venezuela vão colaborar com a ação da Justiça e seguir na tarefa de reduzir qualquer espaço de atividade de um membro da ETA em qualquer lugar do mundo", apontou o presidente espanhol.

Zapatero insistiu em que é necessário conhecer a versão das autoridades de Caracas sobre a "hipótese de colaboração" da ETA com "pessoas a serviço das forças de um país como a Venezuela, já que a informação necessária "está em suas mãos".

"Pedimos explicações. O fiz direta e publicamente e o Ministério de Assuntos Exteriores o fez diretamente com as autoridades da Venezuela", declarou.

Zapatero pediu estas explicações na segunda-feira passada, em Hannover (Alemanha), horas depois da divulgação do auto judicial da Audiência Nacional espanhola.

Chávez respondeu dois dias depois que não tinha que explicar nada sobre o auto.

Segundo Zapatero, Chávez expressou esta vontade de cooperar, como se refletiu no comunicado conjunto divulgado ontem pelos Governos de Caracas e Madri para conter a crise surgida com o auto judicial. EFE cpg/bba

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG