VIÑA DEL MAR, Chile (Reuters) - A retirada das tropas da Espanha em Kosovo é um capítulo encerrado para os Estados Unidos, que garantiu entender a recente decisão de Madri de remover seus militares de modo escalonado, afirmou neste sábado um porta-voz do governo espanhol. Segundo o funcionário, foi isso o que disse o vice-presidente norte-americano, Joseph Biden, ao presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, em uma reunião realizada como parte da cúpula de Líderes Progressistas, no Chile.

Houve uma "compreensão total da decisão da Espanha", disse o porta-voz.

A Espanha integrou a missão da Otan em Kosovo desde sua constituição, dez anos atrás. Nesse período estiveram presentes na região cerca de 22 mil militares espanhóis. O contingente atual tem pouco mais de 600 soldados.

Kosovo, cuja população é majoritariamente albanesa, declarou unilateralmente sua independência da Sérvia em fevereiro do ano passado. Depois disso, o novo Estado foi reconhecido por 22 dos 27 membros da União Européia (UE). Só faltam Espanha, Grécia, Chipre, Eslováquia e Romênia.

Durante seu encontro neste sábado, Biden e Zapatero concordaram em iniciar uma nova etapa nas relações bilaterais depois da chegada do presidente Barack Obama à Casa Branca e também reforçaram os compromissos entre os EUA e a União Europeia.

"Meu governo está entre os que facilitarão as coisas para a agenda que o presidente Obama tem pela frente porque o êxito do presidente Obama é o êxito de boa parte dos objetivos que o mundo tem neste momento", disse Zapatero aos jornalistas no encerramento da reunião, no Chile.

(Reportagem de Patricia Vélez)

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.