Esconderijo de Mandela nos anos 60 se torna museu

Um esconderijo usado por Nelson Mandela quando ele era um ativista político há quase 50 anos foi restaurado na África do Sul e transformado em museu. A Fazenda Lilliesleaf, no bairro de Rivonia, ao sul de Johanesburgo, era um local usado pelo Congresso Nacional Africano (CNA) para lançar sua luta armada contra o regime do apartheid.

BBC Brasil |

Integrantes do CNA foram presos no local em 1963 e enfrentaram o que ficou conhecido como "o Julgamento de Rivonia". Em seguida, Mandela e seus colegas foram condenados à prisão perpétua.

A fazenda fica a apenas meia hora de carro do centro de Johanesburgo. Com o passar dos anos, o bairro de Rivonia cresceu em volta da fazenda.

Isolamento
No final da década de 60, a fazenda era um local isolado e um lugar ideal para o esconderijo de integrantes do braço militar do CNA.

Nelson Mandela foi para a fazenda em 1961, quando estava se escondendo do governo da África do Sul. Ele usava o nome de "David", trabalhava como caseiro e dormia em um dos pequenos quartos anexos da fazenda.

A polícia fez uma busca no local 18 meses depois da chegada de Mandela e o alto comando do CNA foi preso.

Jacqueline Otukile, guia turística do local, afirma que a preservação da Fazenda Lilliesleaf é importante para o país.

"Precisamos saber onde Nelson Mandela iniciou a luta do povo sul-africano", disse.

Um dos projetos do Lilliesleaf Trust é a busca pela arma que Mandela usou durante seu treinamento em Adis-Abeba, na Etiópia.

Mandela afirma que enterrou a arma do lado de fora da propriedade. Mas, apesar das investigações no local, a arma não foi encontrada.

Nos últimos quatro anos, a Fazenda Lilliesleaf foi reconstruída como parte de sua transformação em patrimônio do país.

Leia mais sobre: Nelson Mandela

    Leia tudo sobre: nelson mandela

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG